Todos nós somos influenciados na vida. Por alguém que admiramos, por uma música, por livros. Que eu tenha anotado, meus livros lidos, fora os infantis, até hoje chegam a 50. Ao meu ver, parece bem pouco, mas para quem criou o hábito de leitura ano passado, não estou tão mal. Resolvi criar uma lista com os livros que mais me influenciaram, seja como leitora ou para a vida, a seguir. (Não sei de onde veio a ideia original, mas o que me deu a ideia foi um vídeo do canal literário MarianaReads!)


1. Como eu era antes de você, Jojo Moyes

Não a história, mas a personagem. De uma forma ruim, me identifiquei muito com Lou, e depois que terminei o livro, passei a ver minha vida de uma forma diferente. Sair da caixa, não ter medo de ser você mesma, coisas bobas, que eu não via. Eu passei a ver a vida com outros olhos. Olhos mais maduros. Acho que esse é um dos principais motivos pelo qual adora e odeio esse livro, ele me deu um tapa na cara, o que foi ótimo, mas ninguém gosta de ver a realidade esfregada. Não é meu livro favorito, a história principal para ser sincera, pouco me importa, o que realmente me influenciou, foi ver-me pelos meus próprios olhos, Lou era como um espelho que só refletia meu todo ruim e isso me fez amadurecer de alguma forma.

2. Pollyanna, Eleanor H. Porter

Ah, Pollyanna. É um dos, se não, o primeiro livro da minha coleção. Li pela primeira vez aos 12/13 anos e reli. Várias vezes. O jogo do contente provavelmente foi a parte que mais me influenciou. Algo como, não importa quão ruim esteja sua vida nesse momento, sempre há um motivo para sorrir. Engraçado que realmente levei essa lição para a vida! Faz muito tempo que não releio, as vezes me esqueço que aprendi, mas lá no fundo eu sempre estou sorrindo, porque se uma garotinha sorriu ao ganhar muletas no lugar de uma boneca, eu também posso.

3. O Sobrevivente, Aleksander Henryk

É complicado. Li este livro aos 16 anos e foi meu primeiro livro sobre a segunda guerra mundial. Peguei aleatoriamente na biblioteca da escola e fiquei completamente chocada. Cada detalhe descrito do gueto. Foi minha primeira não-ficção e quando realmente me interessei pela segunda guerra mundial. Me julgue se quiser, me apeguei aos judeus desde então. Não confunda com pena, claro que foi horrível, mas me admirei com a força de cada um. Me influenciou mais no sentido acadêmico, não posso negar, mas levei para o lado pessoal. Odeio Adolf Hitler. (Não quero usar o termo "ódio" antes de ler alguma biografia do sujeito, mas não dá para maneirar.)

4. Cidades de Papel, John Green

Sou suspeita para falar, John é um dos meus autores favoritos. Li quatro de seus livros publicados no Brasil, e o que mais gosto, é a escrita dele. É fácil, direta, objetiva e dá de se ler em um dia, que foi o que aconteceu com Cidades de Papel. Eu gostei tanto que não consigo explicar. Aborda a forma como as pessoas nos veem e a forma como realmente somos, mas vai além. Quando uma pessoa olha para você e vê um espelho, ela está apenas observando o próprio reflexo, enxergando o que ela quer ver, mas quando uma pessoa olha para você e vê uma janela, ela está observando seu verdeiro eu. Eu sei, confuso. Lembrando que essa é a minha visão do livro, minha opinião e o que tirei da narrativa. Não seja uma pessoa de papel.

5. Harry Potter, J.K. Rowling

Ah, ele! Por último, mas não menos importante. Tratando-se de livros, talvez seja o mais importante de todos. Minha história com Harry Potter não é segredo para ninguém, então vou me limitar a dizer que sim, criei o hábito de leitura aos 19 anos lendo Harry Potter, motivo pelo o qual, são livros que influenciaram minha vida. Não digo um ou outro, mas os sete. Comecei a gostar de ler com Harry Potter, aos 19 anos, não consigo pensar nada mais marcante na minha vida literária do que isso.

Estes foram os cinco, que na verdade são onze, livros que influenciaram minha vida. Com certeza essa lista vai apenas aumentar.
“Entrei numa livraria. Pus-me a contar os livros que há para ler e os anos que terei de vida. Não chegam! Não duro nem para metade da livraria! Deve haver certamente outras maneiras de uma pessoa se salvar, senão… estou perdido.”

― José de Almada Negreiros, A Invenção do Dia Claro

4 Comentários

  1. Shame on me!!!
    Dessa lista eu só li os livros do Harry Potter... Eu gosto do John Green e Cidades de Papel está na minha lista de livros para ler.
    Beijos

    http://ivelipaula.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  2. Haha, do tio John eu li A Culpa é das Estrelas, Quem é você, Alasca?, O Teorema Katherine e Cidades de Papel. Leia CDP! Foi meu favorito dos quatro. E shame on me! Não li mais nada da JK Rowling, ainda! Hahaha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Gostou de Cidades de Papel mais do que A Culpa é das Estrelas??? Ele vai ser o próximo da minha lista então!

    ResponderExcluir
  4. Tipo, eu gostei de A Culpa é das Estrelas, mas Cidades de Papel teve mais sentido na minha vida, sabe?

    ResponderExcluir