cidadao-kane
De cara me senti assistindo à um documentário, mas o buraco vai mais fundo.
Tentei escrever assim que terminei o filme, mas eu precisava de mais. Assisti novamente. Não é um filme que você assiste uma vez e ponto. Pelo menos eu... Na primeira vez, não vi nada demais, só mais um filme. Como (quase) fotógrafa, o que mais reparei, foi a fotografia do filme, já que a história não me chamou tanto atenção. A linguagem visual. Não sou especialista, mas para o ano que foi gravado, fiquei impressionada. Palmas para o trabalho de Gregg Toland, que fez a fotografia de Cidadão Kane. 
Tirando o fato do filme ser completo em preto e banco, me senti vendo uma obra recente. Os movimentos de câmera, a exposição, a luz, tudo está impecável. Aqui vão minhas impressões: a história é boa, não é meu gênero favorito, mas é bom, não faltou nada e não deixou passar nada. A construção do mistério está lá, presente em todo o filme e continua até o fim, sem ser solucionado. Qual o significado das ultimas palavras de Charles Foster Kane? Fica à critério do espectador pensar do que se trata Rosebud. Uma pessoa? Uma cidade? O segredo morreu com o protagonista. 
Cidadão Kane é um filme que a cada review, você tira algo diferente dele. Nada que eu escrever aqui, será decente o suficiente para que alguém perceba quão palpável é o filme. Claro que clássicos, principalmente os em preto e branco, não são para todos, as vezes chega a ser cansativo ficar olhando para a tela, foi um dos motivos pelo o qual eu não gostei tanto assim, acho que eu não estava no clima, quem sabe eu assisto novamente, mas posso afirmar que foram 119 minutos muito bem aproveitados.

Deixe um comentário