Funny_Story_frontA pergunta que fica é: por que não publicaram esse livro no Brasil?

Foi minha primeira leitura em inglês, nada na história foi surpresa pra mim porque eu assisti o filme antes, sabe aquele filme com o Zach Galifianakis, que fez "Se Beber, Não Case!"? Então, ele também fez "Se Enlouquecer, Não Se Apaixone", que é a adaptação de It's Kind of a Funny Story. Desde que descobri o filme, há muito tempo atrás, fiquei com muita vontade de ler, só que não tem tradução, finalmente resolvi praticar meu inglês e peguei para ler.

A história é boa, apesar de só realmente me prender do meio para o final. Não culpo a dificuldade com língua, seria injusto, porque digamos que entendi uns 80% do que o livro queria passar, conhecer a história ajudou bastante, claro, mas consegui interpretar o que o autor quis dizer na maioria das vezes.

O livro já começa com uma frase impactante que não tem nenhuma relação com o título: "It's so hard to talk when you want to kill yourself." A história é narrada em primeira pessoa, pelo Craig, um garoto que tinha tudo para ser "normal", mas tem depressão. Como eu disse, o livro só começa a andar mesmo depois que o Craig surta e vai para o hospital psiquiátrico, e isso não é spoiler, está na contra capa do livro!

Apesar de ser um livro sobre um garoto com depressão, eu ri bastante! Sem maldade, Craig tem umas falas geniais. Da forma como é narrado, você não sabe se ele está falando consigo mesmo ou com o leitor, o que também é muito legal. Acho que fiquei uns 5 minutos rindo dessa parte: com tudo o que ele está passando, se preocupa em parecer clichê, porque é melhor ser apenas um adolescente deprimido do que um adolescente-deprimido-drogado.
Maybe that should be me. If I were on drugs that good, maybe I wouldn't have time to get depressed. It's heroin, right? That's what I need: some heroin. But I reconsider. First of all, it'd be pretty tough to ask my friends: Hey, who knows where I can get heroin? They'd think it was a joke. Plus it has the worst nicknames: "horse," right? How could I ask for "horse" with a straight face? And, if I were doing heroin, then I'd be a depressed teenager on heroin. I didn't need to be that cliché. 
Uma coisa importante a ser dita: Craig Gilner não sofre bullying, tem amigos e uma boa relação familiar. Seus problemas não são consequências das mesmas situações que muitos outros personagens de outros livros ou filmes passam, isso me chamou atenção.
Durante a história acompanhamos a luta de Craig contra si mesmo e assim como o nome da adaptação entrega, ele se apaixona no hospital. O amor e seus desenhos o ajudam a lidar com o que ele está passando, para quem leu ou ler, percebe que a capa tem tudo a ver com história.
Recomendo o livro e o filme!


2 Comentários

  1. Eu não li, só assisti o filme. Quando eu assisti, ainda não existia o título em português e depois eu fiquei me perguntando, porque escolheram "Se enlouquecer, não se apaixone" se não tem nada a ver com o título original?
    Eu gostei bastante do filme e provavelmente eu gostaria do livro ainda mais. Mas eu fico tão decepcionada quando vejo o filme primeiro sem querer... Parece que perde um pouco a mágica :/

    ResponderExcluir
  2. Ludimila Ferreira10 de julho de 2014 23:57

    Pelo o que dizem, escolheram o nome por causa de outros filmes com o Zach que são da mesma forma, "Se tal-coisa, não tal-outra-coisa". Não gosto de ver antes, fico esperando a cena que eu gostei no filme acontecer no livro e nem dá para imaginar os personagens, mas esse livro é ótimo.

    ResponderExcluir