Quanto mais eu leio, mais crítica venho ficando em relação as minhas leituras. Não tenho mais interesse em alguns livros que me chamaram atenção seis meses atrás, parece mais do mesmo. Olho para alguns livros na minha estante que na época em que li foram ótimos, mas hoje eu não leria da mesma forma, ou talvez nem leria. Olho para certas histórias e elas simplesmente não fazem mais sentido na minha vida. Mas claro, existem os livros atemporais. Aqueles que vou reler sempre, uma vez por mês, uma vez por ano, daqui cinco anos voltarei a eles e tirarei outra lição ou simplesmente relembrarei tudo o que aprendi.

Você consegue olhar para os últimos cinco livros que você leu e apontar pelo menos um item que mudou sua forma de ver o mundo ou relembrou um princípio no qual você acreditava ou ainda acredita? Eu consigo, mas não de todos os livros, confesso. Ao dizer isso, não estou dizendo para você largar seu Jovem-Adulto ou o seu livro de fantasia e ler só os clássicos, eu mesma aprendo muita coisa com livros de fantasia e vários tapas na cara que já levei foram destes próprios.

Esse texto é apenas um lembrete para que você seja mais seletivo em suas leituras, independente do gênero, para que você possa, ao terminar um livro, olhar para ele e sentir que aquela foi uma leitura rica em todos os níveis e não mais uma soma à sua lista de lidos do Skoob. Vivemos em média uns 80 anos - corrija-me se estiver errada, então vamos aproveitar essa curta vida de leitor para ler algo que vai acrescentar. Não tente ler tudo, tente ler o suficiente.

4 perguntas para se fazer ao terminar um livro:

  1. O que eu aprendi com esse livro?
  2. Eu vou reler esse livro?
  3. Eu recomendo esse livro?
  4. Ler esse livro foi "perda de tempo" ou foram horas muito bem gastas, obrigada?

Há livros de que apenas é preciso provar, outros que têm de se devorar, outros, enfim, mas são poucos, que se tornam indispensáveis, por assim dizer, mastigar e digerir.
Francis Bacon

2 Comentários

  1. Lud, para mim esse foi o seu melhor post. Sério!
    É ruim perceber que vários livros que eu li durante esse ano foram perda de tempo. O que me alegra por outro lado é que eu consegui ler O Segundo Sexo, um livro que eu pensei que nunca daria conta de encarar. Foi só depois de ler esse livro que eu comecei a ter coragem de encher o peito e dizer por aí: Eu sou feminista!
    Nos últimos tempos eu tenho lido livros com conteúdos mais densos e leio chick-lit para intercalar e distrair um pouco a cabeça. Mas pensando exatamente nisso, acho que eu vou deixar os chick-lits de lado e só ler aquilo que acrescenta na minha vida de verdade.

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda tenho um pouco de "medo" dos clássicos e livros antigos no geral. Eu olho a estante "Quero Ler" do Skoob e tem livro que eu nem sei de onde saiu, isso é meio... Eu amo fantasia, é um gênero que eu não me imagino abrindo mão, mas pensei, por que não criar vergonha na cara e ler o tio Tolkien e outros autores ao invés de ficar só nesses livros comerciais? Eu adoro o John Green, mas apesar de querer ler Will & Will, desanimei totalmente. Mas tem muitos livros "fora da realidade" que ainda quero muito ler que eu sei que alguma coisa vou tirar deles, como Admirável Mundo Novo ou Farenheit 451, enfim, não vou mudar de gênero, só de ares (tirando o fato que eu leio um pouco de tudo).

    ResponderExcluir