Inspirado nesse texto aqui da Lais, uma breve história de como eu assumi os cachos.

Como já dizia Taylor Swift: "don't you worry your pretty little mind, people throw rocks at things that shine". Pra quem não sabe, não divido meus anos pela virada e sim pelos meus aniversários. Meus 20 foram marcados por grandes mudanças. Por quanto tempo fui insegura por causa do meu físico, do meu cabelo "ruim" e dos meus óculos. Conforme vamos crescendo e nos tornando adultos, deixamos tanto pra trás que hoje se eu pudesse voltar no tempo eu voltaria pra 2007 só para dar um recado para a Ludimila de 13 anos: guria solta esse cabelão maravilhoso e vai ser feliz. Eu tinha UMA foto do meu cabelo longo e cacheado, mas infelizmente, ela se perdeu por falta de backup e eu tenho vontade de deixar meu cabelo crescer de novo só pra saber qual é a dele, mas o calor é maior que tudo. 

Eu não tenho uma grande história capilar. Usei meu cabelo natural, porém "devidamente" amarrado por toda a infância, na pré-adolescência "aprendi" que cabelo bom é cabelo liso e comecei a usar progressiva com 14 anos. Ironicamente, só a primeira funcionou. Mas na mesma época ganhei a minha chapinha (a mesma que tenho até hoje, 7 anos galera!!!!) e meus cachos nunca mais viram a luz do dia. Tive aquela fase de passar uma semana sem lavar o cabelo porque era chato ficar passando prancha sozinha e me sentia bem assim, mas toda vez que eu lavava, maltratava os coitados dos cachinhos. Mas mesmo fazendo sozinha, parecia que eu tinha cabelo liso, um amigo chegou a achar que eu usava aplique de tão cheio que era meu cabelo quando ele tava grande e liso, Pocahontas feelings.



Ousei uma vez usar o cabelo natural na escola, provavelmente por preguiça, só lavei e deixei secar sozinho, me senti super bem, mas um comentário infeliz foi o banho de água fria pra no dia seguinte passar prancha de novo e nunca mais aparecer na escola com o cabelo cacheado. Mas em 2014 a magia aconteceu. Começou com a tintura, estava tudo indo bem até que a parte de cima do cabelo estava ficando queimada, a cor que era pra ser roxo, estava marrom e aquilo começou a me incomodar. Na mesma época ouvi um comentário que "pro colorido estar sempre bonito, teria que deixar ele ao natural, porque a chapinha acaba com a cor" e eu comecei a pesquisar sobre cuidados capilares e cabelo cacheado, até que descobri a transição.

Não entrei em transição, nem tive o BC, meu cabelo é curto simplesmente porque enjoei dele longo. Fui lá, cortei e fim. Eu não tinha química no cabelo, pelo menos eu acho que não. Como eu falei lá em cima, todas as progressivas que eu fiz, não acabaram com os meus cachos, era só eu lavar que pronto, lá estavam eles como se nada tivesse acontecido. No dia 29 de setembro de 2014, eu assisti Valente e fiquei tão apaixonada pelo cabelo da Merida que resolvi lavar e secar ao natural pra ver como estavam meus cachos e não sei falar, só sentir.

Quando assumi os cachos eu ainda tinha "problemas" com o volume, queria porque queria que eles ficassem quietinhos, calmos, pra baixo, eu gostei nas primeiras semanas, mas conforme o tempo foi passando, aquele cabelo lambido começou a me incomodar. Eu tenho personalidade, meu cabelo também. Foi quando eu soltei. Foi uma coisa gradual. Primeiro desapeguei do comprimento do qual nunca realmente fui apegada, depois me desapeguei da franja que amo e ainda uso, mas agora escolho quando e onde usar, depois me desapeguei da chapinha e deixei meus cachos respirarem, por fim me desapeguei do cabelo lambido e deixei meus cachos soltos, igualzinhos a mim. E no meio disso tudo usei batom vermelho em público pela primeira na minha vida (mas isso é história pra outro post porque esse aqui já ficou grande demais). Os comentários maldosos se transformaram em elogios e uma pessoinha X que ama mexer no meu cabelo. A insegurança desceu pelo ralo na primeira chuva que eu tomei com o cabelo natural. Pra quem sempre defendeu a liberdade, me libertar foi um passo bem grande e bem dado. 21 vem com tudo que eu tô pronta.

Deixe um comentário