Eu cheguei cedo - como de costume, passei na porta de uma lojinha de cultura asiática (não me pergunte se era japonês, chinês ou coreano), fiquei olhando algumas coisinhas que me deram vontade de comprar - mas não comprei (vamos lembrar que eu tinha 15 anos e nenhum dinheiro), por fim encontrei a entrada do teatro e esperei o restante da turma. A primeira sensação foi ao entrar no teatro, já senti a atmosfera mudar, como se ali fosse meu lugar. Descemos até o palco e a energia era tão forte que me deu arrepios. Era forte, não pesada, veja bem. Nunca me senti tão leve. E então depois de todos reunidos, fomos ensaiar. Foi quando a magia aconteceu. 

Eu sentia como se só fosse eu ali em cima. Como se a ribalta (que estava apagada) brilhasse apenas em mim. Entrei em transe e comecei a flutuar. Eu estava em casa, ali, era meu lugar. Tanto que na hora da apresentação eu não estava nem um pouco nervosa. Ansiosa, sim. Isso eu sou. Mas nervosa? Nem um pouco. Depois do ensaio subimos para o vestiário e posso dizer? O teatro tem sua magia própria. Principalmente os bastidores. Minha segunda casa. A primeira claro, é o palco. Lá nós nos trocamos, colocamos nossos vestidos e sapatilhas e eu já estava dentro do personagem. 

"Droga, preciso ir ao banheiro!", comentei.
"Há, agora se segura porque não dá pra tirar esse collant.", foi a resposta.

A vontade nada mais era do que psicológica. Lembra que eu falei da ansiedade? Então, todos tomaram suas posições. A peça já estava chegando ao fim e a entrada da dança se aproximava. "É agora.", pensei. "Fica calma.", alguém disse. Eu estava calma. E então todo o erro que aconteceu na escola se passou pela minha cabeça novamente como um flash. O erro, a corrida, as lágrimas. Dali, da minha posição, eu via boa parte do teatro, mas claro, ninguém me via. "Respira fundo, guria!", e nós entramos. E deu tudo certo. A magia do teatro agindo mais uma vez ao meu redor. Eu estava no palco e agora era pra valer. Dançamos como tínhamos que dançar. Todos os passos. Um pequeno tropicão que só minha mãe viu. E deu certo. Fomos aplaudidos com sorrisos. E a noite acabou. Uma noite que vai durar para sempre.


E foi nesse dia que dei meu primeiro passo para o futuro. Um futuro que obviamente mudaria, mas se não fosse aquele passo talvez eu não tivesse me tornado quem eu sou. Ah, como eu queria, hoje, não ter destruído meu diário daquele ano. Pelo menos não essa parte do diário.

2 Comentários

  1. É realmente mágico quando nos encontramos em alguma atividade. Imagino que a atmosfera do teatro, o palco, as luzes e a platéia, seja magia das boas! Fico feliz que tenha se saído bem, eu certamente teria entrado em combustão de tanto nervosismo, haha! Um beijo. (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que todo mundo pelo menos um dia deveria passar pela experiência de subir no palco. Melhor. Magia. Sem mais. Beijo <3

      Excluir