E enfim chegamos ao final de março! Só pra mim esse mês durou, sei lá, oito anos? Março nunca é um mês, digamos, amigável comigo e choveu texto aqui nas últimas semanas. Não fiz lá grandes coisas esse mês então decidi fazer um resumão com os livros lidos e otras cositas más. Me segue:

A Garota que Perseguiu a Lua: Emily, após a morte de sua mãe a fim de conhecer melhor seu passado, se muda para Mullaby para morar com o avô. Isso é tudo que vou te contar sobre a história. Um livro leve, para se ler em algumas horas. Não dava nada por ele e o julgava pela capa, porém vale muito a pena. Leia sem saber nada e sem nenhuma expectativa que eu tenho certeza que você vai gostar. A vida real se mistura com a fantasia e quando você vê, Emily não foi a única a se mudar para Mullaby, você foi junto com ela. Minha personagem favorita com certeza foi a Julia por motivos de identificação. Quando terminei o livro simplesmente o abracei e comecei a chorar querendo voltar para a história. A gráfica do livro é linda e as borboletas na capa acabam fazendo todo o sentido quando você termina. Uma capa que antes eu odiava se tornou quase uma favorita. Queria mostrar como ele é internamente mas perderia a magia, adorei me surpreender. Desde o cuidado da editora até as entrelinhas da autora. Sei que estou sendo vaga mas o único contato que tive com a história de A Garota que Perseguiu a Lua antes de ler, foi a sinopse do Skoob, nem a contra capa eu li. E me surpreender com um livro cujo o qual eu jurei que daria no máximo três estrelas, foi mágico! Eu dei cinco estrelas.

A Profecia de Samsara: Ah, como eu amo fantasia! Asti trás em seu sangue uma maldição que passa de geração para geração: o Deus Varni. Só o toque de seu sangue já é capaz de matar milhares. Asti precisa encontrar o Templo de Samsara e entoar um mantra para destruir de vez a maldição. Não da pra parar de ler sem querer saber o que vai acontecer no próximo capítulo. Letícia narra tudo de forma a te colocar dentro da história e te faz querer ajudar Asti, porque vou dizer, dá até dó da coitada. Ela não tem culpa de nada e leva a responsabilidade de salvar o mundo nas mãos. Somos apresentados a vários personagens durante a história e é impossível não se apegar a pelo menos alguns deles. desde o mais importante ao mais coadjuvante. O final dos Varni não é nada óbvio e sinto cheiro de continuação apresar de, no fundo, não querer um segundo livro. Sabe aqueles livros que são completos sozinhos? Então. Gosto dessas suposições. E o livro é cheio de ilustrações feitas pela própria autora. Eu comentei que é nacional? Também dei cinco estrelas pra esse lindo.

O Bicho-da-seda: Strike está de volta com mais uma investigação. Dessa vez, Owen Quine, um escritor meia boca, depois de falar demais sobre a vida alheia no seu último livro, desapareceu. Como se não bastasse, algum tempo depois foi encontrado morto. Morte qual foi idêntica a de um de seus personagens do seu último livro, esse em que ele falou demais. Escrito, não publicado, porém lido por muita gente. E agora, quem matou Owen Quine? E de forma, digamos, tão poética? Bom, eu ainda não descobri porque adivinhe só? Eu consegui ter uma ressaca literária com a J.K. Rowling. Pois é. Novamente como em O Chamado do Cuco temos ação, mistério e investigação muito bem escritas por Rowling, mas dessa vez não consegui ir adiante, mesmo me coçando para saber quem é o culpado. Pretendo terminar em breve e venho contar o que achei. Com certeza o culpado é uma pessoa que ainda nem passou pela minha cabeça. Robin continua sendo a fiel escudeira de Strike e espero que ela se torne uma Watson nos próximos livros! E a vontade de ler Sherlock só aumenta... 


Faking It: depois de muito tempo sem saber o que é acompanhar uma série, senti falta de Faking It e percebi que é a única série que estou em dia, #choremos. Com duas temporadas completas, FI conta a história de Karma e Amy, que no primeiro dia de aula fingem ser um casal, todo mundo acredita e elas ficam populares, mas como nem tudo são flores, Amy se apaixona de verdade pela amiga e nós vamos acompanhar o desenrolar dessa história de amor e amizade. Essa sou eu tentando não shippar Karmy.

Brittana: eu já tinha ouvido falar do casamento de Brittana e Klaine no Twitter, mas nem tinha dado bola. Até eu ver esse vídeo. E chorar. Que coisa linda, maravilhosa, fofa e asdfghjklç;. Brittana sempre foi meu maior ship apesar de eu nem acompanhar Glee tanto assim e ver essas duas se casando me levou pras nuvens. Essa sou eu querendo voltar a assistir Glee. 



APPs: Spotify e VSCOcam where have you been all my life? Eu já estava virando órfã de música desde que comprei o iPhone por motivos de preguiça do iTunes. Aí me apresentaram o Spotify e foi só amor. Mais amor ainda pro Vsco porque eu enrolei uma vida pra baixar o coitado e só arrependimentos por ter demorado tanto. Baixe, use e ame esses aplicativos!

Música: American Authors melhor banda. Best Day of My Life melhor mantra. E I am my own man, I make my own luck. Apaixonei por Teatro Mágico, Ana e o mar. E divas do trânsito melhor playlist.




Então, esse foi o meu mês de março: muito amor, muito choro e muita coisa aleatória. Com direito a dancinha na chuva pra terminar o dia da melhor maneira possível :D O que o seu março trouxe de bom?

Deixe um comentário