Oi, você poderia por favor me informar quantos anos durou o mês de maio? Hoje é dia 29, ainda temos dois dias pela frente, mas estou dando maio por encerrado. E esse é o resumo do mês. Eu assisti dois filmes, li quatro livros e entrei em uma ressaca literária - de novo. Não sei o que anda acontecendo ultimamente, mas sempre que sento pra ler parece que meu cérebro vira uma tela em branco e não consigo absorver nada. 

Comecei a ler O Filho de Netuno e achei o começo muito arrastado. Saudades PJO. Comecei a ler Lonely Hearts Club que julguei pela capa e comprei por 15 reais (sim!) e foi a mesma coisa. Estou sentindo falta de livros que me prendam do começo ao fim. Alguém tem um livro de fantasia bacana pra me indicar? Depois de assistir João e Maria: Caçadores de Bruxas fiquei com muita vontade de ver A Garota da Capa Vermelha, está na lista. E Bad Hair Day é um bom filme.

Fui na Marisa no começo do mês e encontrei três saias lindas cheias de flores e foi mais um passo no projeto de desadolescentar meu guarda-roupa. Mas achei a loja bem fraquinha de opções. Li o livro da Fran e Paulo Coelho - e gostei. Comecei a estudar astrologia e entrei em um bloqueio criativo que só Jesus na causa porque não está fácil, amigos. Retoquei o cabelo e posso dizer que La Riche Directions melhor tinta. E voltei a gravar vídeos! 

Meus links:

Outros links:

Maio durou tanto tempo e eu tenho a sensação de que não fiz nada. Qual foi a do seu mês?


O David Nicholls lançou um livro novo chamado "Nós" e na propaganda diz que se você gostou de "Um Dia", também gostará de "Nós". Bom, eu posso até gostar de "Nós", quero lê-lo, mas não agora. "Um Dia" conta a história de Emma Morley e Dexter Mayhem, duas pessoas completamente diferentes que se conheceram no dia da formatura - 15 de julho. Depois de passarem essa noite juntos, eles se tornam grandes amigos e cúmplices da vida inteira, e nos próximos vinte anos vamos acompanhar um dia na vida de cada um. O 15 de julho. 

Emma é aspirante a escritora enquanto trabalha em um restaurante - trabalho que odeia por sinal, apesar de não admitir (quem nunca?) e mora em um cubículo que aluga no apartamento mal ventilado de uma amiga. Já Dexter é um rapaz de boa família, apresentador de TV, que pega todas. Entre disputas e brigas, esperanças e oportunidades perdidas, risos e lágrimas, e tudo aquilo pelo o qual eu e você já passamos ou um dia iremos passar, vemos um relacionamento ser construído e desvendado.


O que isso tudo tem a ver com "Nós"? Eu odiei o final de "Um Dia"! Uma das minhas vontades é desbravar outras histórias de Nicholls, mas toda vez que penso em adquirir um de seus livros, me lembro desse final. Não é como se ele fosse ruim ou mal escrito, ele só é dolorido. E machuca. Emma é uma personagem brilhante e completa, facilmente identificável. Como leitor, você cria um vinculo com a personagem e às vezes sente como se ela fosse uma personificação de sua própria vida. É isso que espero de "Nós". Dexter é um personagem real e humano. Você provavelmente conhece um ou mais Dexters perdidos por aí e se não conhece, vai conhecer. E é isso que eu espero de "Nós". O romance é construído de forma tão sutil que você nem percebe que ele está ali. As relações humanas são das mais reais que eu já encontrei em um livro. O autor sabe contar uma história não tão simples assim de forma simples, sem deixar o leitor entediado. E é isso que eu espero de "Nós". É isso que espero de qualquer livro do autor se esse é mesmo seu estilo de literatura, mas também espero a tragédia e tudo que há de ruim porque foi assim que "Um Dia" terminou e é assim que a vida também chega ao fim - do nada, sem você perceber.


Algum dia eu volto a ler os seus livros David Nicholls, mas por enquanto, me deixa sofrer.

Playlist 8tracks que virou 9tracks e depois 10tracks. Pois é. 10 musicas que eu ouviria pelo resto da minha vida. Que playlist injusta.

Quem nunca imaginou sua vida acompanhada de uma trilha sonora bacana? A música certa tocando na hora certa e aquele momento se deixando ser eternizado naquela melodia. Não sei você mas eu tenho essa trilha. Lembrando que isso é no dia que fiz essa lista (18 de maio), hoje a playlist pode ser completamente diferente e tudo bem porque a indecisão é minha melhor amiga. Aperta o play:

When You Look Me In The Eyes: Essa é uma das minhas musicas favoritas dos Jonas Brothers. Toda vez que eu ouço eu sou transportada de volta a minha adolescência onde as coisas eram mais simples mas nem um pouco mais fáceis. WYLMITE é uma música que me faz chorar e evito ouvi-la desde o término da banda e sei que apesar de no passado associá-la a pessoas, hoje eu só consigo pensar nesses três irmãos ao apertar o play. 

Arabella: Meu álbum favorito do Arctic Monkeys é de longe o Humbug mas Arabella é uma música que mexeu comigo desde a primeira vez em que eu ouvi. Me deixa com vontade de sair, dançar e me deixar levar sem rumo por Arabella. Sabe aquelas histórias de uma noite pra contar pros amigos? Daquela que você decidiu sair só pra variar e foi incrível de um jeito que você nunca teria imaginado? Aquela vontade de correr riscos? Aquela vontade de ser tudo que você imaginou e duvida? É Arabella.

Catch Me: É o amor... Sendo de leão (e sim isso é uma referência ao zodíaco), posso afirmar que sim: nós somos o signo mais apaixonado do zodíaco. Então porque não uma música que traduz exatamente como eu me sinto na questão coração quando me vejo de novo metida em amores platônicos? Antes que eu caia rápido demais me beije, mas faça durar. Eu sei que vai doer quando você dizer adeus. Em seu amor é onde estou caindo. Se isso é amor, por favor não acabe comigo, estou desistindo, apenas me pegue. Certas coisas ficam melhor no original... Mas não deixa de ser poesia.

22: Pra categoria estar feliz e só querer festar eu poderia ter pegado qualquer música da Britney Spears mas eu segui a linha festinha em casa com os chegados ao invés de uma noite na balada. Então 22. Porque se tem uma coisa que eu quero é continuar me sentindo com 22 anos mesmo não tendo chegado neles ainda. E mesmo aos 32, 42 ou whatever quero continuar com o espírito jovem, exatamente como se tivesse 22. 22 é um bom número.


Seasons Of Love: eu não poderia fazer uma playlist com musicas da minha vida sem colocar alguma de Rent. Minha vontade era de colocar todas (e quase contrabandeei La Vie Boheme pra cá), mas Seasons Of Love traduz exatamente como eu me sinto eu relação ao mundo, as pessoas a minha volta e a vida no geral: vamos medir tudo com o amor. Utópico demais para a sociedade? Tudo bem. Sonhar nunca matou ninguém.

Singin' In The Rain: como amante da chuva eu não poderia deixar Singin' In The Rain de fora. Igual eu falei na postagem sobre o filme, Cantando na Chuva te deixa com vontade de sair por aí pulando e dançando na chuva. E nem precisa estar chovendo pra ouvir.

Meninos e Meninas: acho justo na playlist da minha vida ter uma música que me defina tão bem como Meninos e Meninas e que ao mesmo tempo seja em português. Cogitei colocar Girls/Girls/Boys mas não achei que ela fosse tão poesia quanto Legião. Quando descobri a existência dessa música dei um jeito de tatuá-la na minha alma. Não por afirmação, mas por verdade. Me sinto bem e tudo bem. Quero me encontrar, mas não sei onde estou. Vem comigo procurar um lugar mais calmo.

Livin' On a Prayer: trilha sonora da minha vida minha, minha versão para Don't Stop Believin'. Acho que se fosse para eu ouvir uma música pelo resto da minha vida... Eu realmente não tenho uma resposta pra isso mas cogitaria colocar Livin' On a Prayer em primeiro lugar na lista. Depois de Meninos e Meninas é a única que conseguiu me definir como pessoa até hoje, não chegando tão fundo como a anterior. Lembrando que: temos que segurar firme prontos ou não, vivemos para a guerra quando é tudo o que temos. Pé no chão, amigxs.

Don't Stop Believin': era pra ser 8 mas virou nove porque a playlist é minha e eu insiro quantas músicas eu quiser simplesmente porque não da para separar Livin' On a Prayer de Don't Stop Believin'. Essa música veio parar aqui simplesmente porque a anterior entrou na lista. Na minha cabeça não existe Livin' On a Prayer sem Don't Stop Believin' assim como também não existe o contrário. Pra ser perfeito as duas têm que andar juntas, de preferência de mãos dadas, casadas em uma união estável. A esperança em uma vida melhor que a primeira me passa fica mais forte e se concretiza quando a segunda começa a tocar. Não pare de acreditar. Nunca. 

Best Day Of My Life: era para essa playlist ter terminado na música oito. Era. Eu não podia fechar uma playlist da minha vida sem a música razão de alguns sorrisos nos últimos meses. Best Day Of My Life é isso. É o que o título diz. Só. Esse será o melhor dia da minha vida. Talvez pior que amanhã mas sempre melhor que ontem. Porque assim é a vida como ela é. Não tem regras nem manual mas você pode fazer de todos os seus dias seu melhor dia. Mesmo que seja de moletom assistindo Friends ou Gilmore Girls.


Me conta aí nos comentários qual a sua música favorita do momento :D

Ultimamente ando com um amor incondicional pelo preto no branco, tanto que criei um novo Tumblr só para postar e reblogar coisas nesse tema. O preto e banco na minha opinião deixa tudo mais profundo e de alguma maneira bizarra nos faz pensar. Veja bem, não sejamos preto no branco porque não existe verdade absoluta, mas não tem porque não admirá-lo na arte. 










Para as originais e muitos outros trabalhos, não esqueça de visitar o meu Flickr. Você tem algum tema fotográfico preferido?


O livro conta a história de Brida, uma jovem de 21 anos que deseja conhecer os mistérios do mundo e si mesma através da magia. Durante a narrativa acompanhamos a evolução da personagem e a descoberta da Outra Parte.

Como estudante da Wicca eu tinha que me lembrar o tempo todo que esse é um livro de ficção. A narrativa não é contínua no sentido de prender o leitor. Desde o começo e sempre após voltar à história depois de uma pausa eu demorava a pegar o ritmo. É um livro lento, sem grandes reviravoltas. Eu pessoalmente me identifiquei muito com a personagem principal, Brida, isso em partes me incomodou por cutucar velhas cicatrizes mas também me fez gostar mais ainda do livro. Há tempos eu queria ler um livro onde a personagem tivesse pelo menos a mesma faixa etária que eu e me esbarrar logo com a Brida que é quase uma biografia da minha vida foi muito legal.


Peguei Paulo Coelho para ler por pura curiosidade já que tanta gente fala mal e consegui passar da metade do livro com algumas marcações feitas. Apesar da história ser lenta a forma como ela foi narrada faz do livro uma leitura rápida. Ok, isso não fez muito sentido. Quando eu pegava para ler eu demorava a entrar no ritmo de Coelho mas depois de algumas páginas eu já estava devorando o livro de novo. Os capítulos em sua maioria são super curtos, para quem lê no ônibus é uma maravilha, e eles não são enumerados, confesso que estranhei de primeira vista mas nada que me deixou incomodada demais ou que tenha atrapalhado a leitura. É como se fosse um diário da iniciação de Brida na bruxaria. 

Tinha esquecido essa lição com muita rapidez. Apesar de ter apenas 21 anos, já havia se interessado por muitas coisas, e desistido com a mesma rapidez com que se apaixonava por elas. Não tinha medo das dificuldades - o que a assustava era a obrigação de ter que escolher um caminho. Escolher um caminho significava abandonar outros. Tinha uma vida inteira para viver, e sempre pensava que talvez se arrependesse, no futuro, das coisas que queria fazer agora.

Certos pontos me incomodaram como a citação de alegorias cristãs no meio de um livro inspirado na Wicca, mas depois de ler um comentário nessa resenha eu dei um desconto para o Paulo Coelho. Mesmo com tanta gente falando mal do autor eu estou com vontade de ler outras coisas e descobrir novas histórias.



Oi! Pra quem não sabe eu gosto bastante de animes, antes mesmo de saber o que era um anime, e hoje eu trouxe alguns dos meus favoritos de quando eu era criança e que vale a pena assistir. Porque a gente nunca está velho demais para animes.

Dragon Ball Z: lembro perfeitamente de 2004. Eu assistia DBZ todos os dias religiosamente depois do almoço, antes de ir para a escola. Dragon Ball Z se passa 5 anos após o final de Dragon Ball (que eu não assisti). Goku já é adulto e pai de Gohan. Ele conhece seu irmão mais velho, Raditz, que lhe informa que ambos são membros de uma raça extraterrestre, os Sayajins. Tal raça enviou Goku ainda criança para a Terra com o objetivo de conquistar o planeta, mas ele fere sua cabeça na aterrizagem e esquece qual é sua missão inicial. {Wikipédia}

Sakura Card Captors: acho que um dos meus favoritos, amo guerreiras mágicas. Sakura Kinomoto é uma garota de 10 anos, estudante da fictícia cidade japonesa de Tomoeda, que por acidente abre um livro misterioso, chamado Livro Clow. Do livro saem 52 cartas mágicas levadas por uma tempestade de vento causada pela magia da carta Vento, que foi libertada quando Sakura leu seu nome. Kerberos, o guardião das cartas, surge do livro e conta a Sakura que as cartas foram espalhadas por toda Tomoeda e é seu dever capturá-las de novo, tornando-a uma cardcaptor. Planos para ler o mangá em breve. {Wikipédia}

Pokémon: quem nunca quis ser um Mestre Pokémon? Ao completar dez anos, Ash Ketchum, um garoto que sonha em se tornar um Mestre Pokémon, pode finalmente começar sua jornada em busca do seu sonho. No entanto, ele dorme demais no dia de receber seu primeiro Pokémon e, ao chegar atrasado no laboratório do Professor Oak, descobre que todos os Pokémon iniciais já haviam sido escolhidos por outros treinadores. Então, o Professor diz que há outro Pokémon, um Pikachu, que não gosta de ficar na Pokébola e é muito teimoso. Assim, ignorando os avisos, Ash o aceita e começa sua jornada. {Wikipédia}

Os Cavaleiros do Zodíaco: esse foi influência do meu pai. Eu me lembro de ficar assistindo com ele na Band sempre que passava. O enredo se concentra em um órfão chamado Seiya, forçado a ir ao Santuário na Grécia para obter a Armadura de Bronze de Pégaso, uma veste usada pelos 88 guerreiros da deusa grega Atena, conhecidos como Cavaleiros. Após despertar o poder dos Cavaleiros, uma essência espiritual que se originou com o Big Bang (chamada de Cosmos), Seiya rapidamente se torna o Cavaleiro de Pégaso e volta ao Japão para encontrar sua irmã mais velha. Como a jovem havia desaparecido no mesmo dia em que Seiya foi para o Santuário, Saori Kido, a neta do homem que enviou todos os órfãos para treinar, faz um trato com ele e o pede que participe de um torneio chamado de Guerra Galática, onde os órfãos que sobreviveram e se tornaram Cavaleiros de Bronze devem lutar para ganhar a mais poderosa Armadura: a Armadura de Ouro de Sagitário. Se Seiya vencesse o torneio, Saori iniciaria uma busca por sua irmã. Quero muito ler o mangá! {Wikipédia}

Ashita No Nadja: Nadja Applefield é uma órfã que desde bebê vive no orfanato Applefield. Um dia, quando estava brincando com os seus amigos, ela é chamada pela diretora do orfanato, Miss Applefield, que lhe entrega uma encomenda. Dentro da caixa, havia um vestido elegante e um diário, além de uma carta, que dizia: "Parabéns, Nadja. Logo chegará seu aniversário de 13 anos. Estou lhe mandando um presente que é uma lembrança da primeira vez que sua mãe foi ao baile. Com os votos de que você encontre sua mãe de novo." Nadja não sabia que a sua mãe ainda estava viva e a diretora lhe explica que, quando ela era um bebê, foi entregue ao orfanato por um amigo de sua mãe, porque ela estava doente e acreditava que não iria conseguir criar sua filha. A partir desse momento, a garota passa a ter o sonho de encontrar a sua mãe novamente. {Wikipédia}

Hamtaro: o anime que me deixou com vontade de ter um hamster. Ainda quero. Hamtaro é um anime que conta as aventuras de pequenos hamster que saem de suas gaiolas para se reunir com seus amigos ou ajudar os seus donos. Quando estão em perigo eles costumam usar o "poder Ham Ham", que na verdade é apenas uma iniciativa dada por um hamster a todos os outros para fazer a mesma coisa, por exemplo: se um pula alto, os outros também. {Wikipédia} 

As Super Gatinhas: gatos + guerreiras mágicas, (e eu queria ser uma delas, beijos de luz). No início da série, uma jovem garota chamada Ichigo Momomiya participa de uma espécie de exposição com o seu 'paquera' e futuro namorado, Masaya Aoyama. Depois de um terremoto, Ichigo e outras quatro garotas são banhadas por uma luz estranha. Um gato aparece diante de Ichigo, se unindo com ela. No dia seguinte ela começa a agir como um gato e, depois de conhecer Ryou Shirogane e Keiichiro Akasaka, descobre que ela foi fundida com o DNA de um gato da montanha. Ryou e Keiichiro explicam que este lhe permite se transformar em uma Mew Mew, parte de um grupo de poderosas heroínas. Ela recebe ordens para derrotar parasitas alienígenas, que infectam animais e os transformam em Chimera Animas. Ryou e Keiichiro instruem Ichigo para encontrar as outras quatro garotas restantes. São Mint Aizawa, uma menina mimada e rica que é fundida com os genes da Vini Peruviana; Lettuce Midorikawa, uma menina humilde, mas inteligente, que sofre bullying e absorve os genes do boto-do-índico; Pudding Fong, que recebe os genes do Mico-leão-dourado e Zakuro Fujiwara, uma modelo profissional fundida com os genes do lobo-cinzento. {Wikipédia}


Yey! Esses são os animes que adorava e ainda adoro, não vou mentir e não vou falar dos que tenho vontade de ver porque daria outra lista gigante. Claro que eu não assistia apenas esses, um pouco mais velha eu cheguei a acompanhar Naruto, também assistia Bleyblade (eu tive um Bleyblade amigos) e claro o famoso Digimon que eu não gostava tanto assim. Naquela época eu achava muito parecido com Pokémon, me julguem. Estou aceitando indicações nos comentários, o que você gosta de assistir?

Um Nerdcast bem bacana sobre animes:

Eu nunca vou esquecer a música que estava tocando quando eu virei a noite pela primeira vez. 

Okay, tocaram várias músicas, mas teve uma em especial que marcou aquela noite. I Love Rock 'n Roll. Eu nunca fui de sair, eu ainda não sou de sair. Troco facilmente uma noite na 185 por uma lendo um livro/assistindo um filme/atualizando uma série, mas essa noite em especial que eu decidi levantar da cadeira pra variar um pouco foi marcada por uma pessoa inconveniente na fila, muita chuva, muita bebida alheia na minha calça e essa história pra contar. 

Tudo começou em fevereiro de 2013. Antes de tudo vamos voltar no tempo para algumas semanas antes da festa. Eu, sem nunca ter ido em uma boate na minha vida, entrei naquele dilema do "com que roupa eu vou". Eu queria que a noite fosse perfeita. Rodei o cetro da cidade atrás de uma roupa condizente com o que eu queria, com direito a look completo e só vi a ansiedade crescer conforme os dias iam passando. E então ela chegou.


A sensação que eu tive é que aquela noite marcou a divisa entre minha adolescência e minha "vida adulta". Calma, vamos seguir minha linha de raciocínio. Foi algo do tipo "estou saindo sozinha, sou gente grande!". Eu tinha de 18 para 19 anos. No início da noite, já toda molhada da chuva que tomamos na fila eu me senti completamente deslocada, como se eu não pertencesse aquele lugar. Me sentia presa, como se eu não devesse estar ali. Eu olhava em volta, via as pessoas se divertindo e me sentia sufocada. A 185 não é lá o espaço mais confortável da cidade. Foi aí que o DJ tocou a música certa na hora certa. 

Pra quem já estava molhada da cabeça aos pés o que era mais um pouquinho de liquido desconhecido escorrendo pelas calças né? Só sei que todo mundo começou a pular e cantar e eu entrei na onda. (E pra quem tem 1,62 de altura não sai de lá muito apresentável depois de uma quantidade considerável de gente pulando com copos de bebidas nas mãos e os braços levantados). Melhor noite. Melhor noite porque eu descobri a 185. Melhor noite porque mesmo querendo jogar minha calça fora no dia seguinte, mesmo tendo odiado experimentar caipirinha (ou caipivodka, eu não faço ideia do que era aquilo), mesmo tendo tomado chuva, mesmo aturando o inconveniente que nunca mais encontrei na minha vida, eu me diverti. Foi a melhor noite porque ela foi a primeira e primeiras vezes são sempre as mais especiais.


Com essa noite e várias outras noites eu percebi que as vezes, mesmo que a gente não queira, vale a pena levantar da cadeira e ir viver para variar. Numa dessas noites vivi um dos momentos mais marcantes da minha vida, fui puxada aleatoriamente pelo meu amigo para o fumódromo (eu não fumo) e conheci um pessoa incrível, reencontrei pessoas que estudaram comigo e o mais importante de tudo: que não importa quem você é, numa noite escura e lotada, todos somos um, principalmente na 185.

Mil Pétalas é um projeto fotográfico criado pelo blog Mil Pétalas. Sem tempo, sem regras. Basta tirar 1000 fotos de 1000 flores diferentes quando e bem entender e como eu amo flores e me meter em desafios: oi :) Essas são as primeiras oito fotos que já estavam no meu arquivo e as originais você encontra sempre no meu Flickr!

{1} Cruzeiros dos Peixotos tem aquela cara de cidadezinha do interior, com bons frutos e bons ventos, sem carros, sem gente, sem confusão. Eu não são uma pessoa urbana e encontrei em Cruzeiro dos Peixotos um lugarzinho para onde ir, me esconder e fotografar.

{2} Tenho planos para um dia voltar à esse distrito, mas por enquanto fico só observando as flores e lembrando daquele 15 de março. Como essa flor que me lembra um papel amassado. Aquele em que escrevemos velhos poemas para depois jogarmos fora.

{3} E escrevemos tão fundo que chegamos as entranhas. Entranhas essas que contam histórias e ouve quem quer ouvir. Cruzeiro dos Peixotos, saiba que sinto sua falta e se pudesse eu moraria aí.


{4} O que eu mais gosto nas flores é que por mais que elas se pareçam, se você observar bem, cada uma tem seu encanto, sua cor, sua dor.


{5} Cada uma seu tamanho, seus espinhos, suas folhas. Algumas são primas, outras são irmãs. Algumas são filhas da Lua, as outras filhas do Sol.


{6} E nós somos todos flores. Cada um do seu jeito. Alguns altos, outros baixos. Alguns abertos, outros bem fechados. E cada um com uma história para contar.


{7} E sempre tem aqueles que se destacam entre os demais pelas suas peculiaridades. 


{8} O que vale lembrar é que a vida é um jardim de flores vivas e na maioria dos jardins fazem canteiros fofos demais. Endureça sua terra se não quiser acabar dormindo.


Desafio Fotográfico #milpetalas

Como participar?

  • Fotografe flores e pétalas até atingir 1.000 fotografias
  • Poste fotografias no seu blog usando a tag ‪#‎milpetalas‬
  • Vale fotos de flores e pétalas na natureza, em arranjos, em objetos, em ilustrações, etc.
  • Publique sempre foto + texto: pode ser uma breve legenda ou um texto contando sobre onde ou como você encontrou cada uma delas


Visite: milpetalas.com

Olá! Hoje eu trouxe os últimos assistidos e lidos: dois filmes e um livro. Depois de um bom tempo sem assistir filmes e outro lendo menos que o normal, acho que voltei com tudo em maio!


João e Maria: Caçadores de Bruxas: Em João e Maria: Caçadores de Bruxas nós temos o que era para ser uma releitura do clássico infantil transformado em um filme de ação. Mas eu gostei. Começamos com um flashback de quando João e Maria são  deixados na floresta e encontram a casa de doces da bruxa. Depois de certo tempo presos, obrigados a comerem doces para engordar, eles a destroem e se tornam caçadores. Muitos anos depois eles são chamados para sua antiga cidade para caçar as bruxas que estão sequestrando crianças e descobrir qual o plano delas. Ao decorrer do filme temos uma mistura de história e fantasia com vários esteriótipos da "bruxa cristã", aquelas que segundo a inquisição, tinham demônio dentro do corpo. Foi a única desculpa que encontrei para elas serem tão fortes fisicamente falando e usarem pouco suas varinhas. E uma coisa que me incomodou foi o fato das bruxas usarem bem pouco a magia na hora das batalhas e simplesmente partirem para golpes corpo a corpo. No meio disso tudo descobrimos que não existem apenas bruxas más e descobrimos também um pouco do passado de João e Maria. Falando em bruxas boas eu queria que elas fossem exploradas no filme. Uma das falas da única bruxa boa que aparece é que "as bruxas boas existem, são raras mas existem", queria ver um pouco de participação dessas tais bruxas boas. Faz até sentido elas não se mostrarem devido as circunstâncias da época, mas eu queria. E apesar do aspecto de filme antigo, as armas usadas pelos irmãos são bem avançadas, pode parecer estranho de primeira vista, mas eu gostei desse contraste antigo-novo. Mas enfim, parece que vai ter filme dois e estou um pouco empolgada, mas sem expectativas. No final das contas é basicamente um filme hollywoodiano de ação que não me deixou entediada. O João é o Gavião Arqueiro de Os Vingadores (<3) e filme é de 2013. {IMDb}


Bad Hair Day: o filme conta a história de Mônica uma adolescente de 16 anos, quase um gênio da tecnologia e programação, que vê sua vida virar de cabeça para baixo no dia do baile de formatura. Uma garota que não sabe muito bem como lidar com rejeição e tem medo de fazer suas próprias escolhas pelo o que as pessoas vão achar, ela mantém um espaço na internet onde compartilha seus desejos e deixa as pessoas votarem. O que elas escolherem é com o que Mônica vai ficar. Sejam roupas, acessórios ou até o namorado. Nesse dia em questão uma ex policial bate em sua porta procurando um colar que vou roubado e parou nas mão de Mônica por engano. Depois de conhecer a agente sua vida muda completamente. É um típico filme da Disney, não vou mentir. Temos os dramas adolescentes e os questionamentos que fazemos nessa fase. Esse é mesmo o caminho certo? Com o passar do filme percebemos que não é apenas o baile de formatura ou o cabelo que estão pairando em cima de Mônica e sim todas as suas inseguranças. O filme deixa um mensagem de não ligue para o que os outros pensam sobre você, seja você mesmo e ninguém é perfeito. E assistindo hoje com quase 21 anos percebo que essa é praticamente uma marca do canal. Tudo isso eu ouvi lá atrás quando eu assistia Hannah Montana e afins em 2008. Bad Hair Day é um filme bem bacana que eu nem pretendia assistir mas que veio parar na minha frente quando eu estava de bobeira nos raros momentos em que vejo TV. O filme é de 2015. {IMDb}


Morando Sozinha: no livro a Fran vai trazer um pouco do que ela já posta no blog, fazer checklists, contar histórias e dar várias dicas para quem já mora ou pretende morar sozinha. Eu não pretendo sair de casa tão cedo por N motivos mas já acompanho o blog Morando Sozinha tem uns bons dois anos eu se não me engano e apesar do público ser sim meio seletivo para quem quer morar sozinho (ou sozinha), tem muita coisa que chega a todo mundo como a categoria de finanças por exemplo. Falando do livro eu o vi como uma extensão do blog, como se fosse uma versão mais enxuta das categorias banhadas em histórias do cotidiano da Fran como quando ela saiu de casa para dividir apartamento, como ela encontrou o segundo apartamento onde mora completamente sozinha agora, causos do dia-a-dia, e tudo com uma pitada de bom humor. Ele é curtinho e cheio de ilustrações, dá para ler tranquilo em um dia se você quiser e se você não conhece o trabalho da Fran, recomendo. {Skoob}


O que você andou assistindo ou lendo nessa primeira semana do mês?


Domingo é dia das mães e post de hoje é especial. Mais especial ainda porque é com a participação da minha mãe! O blog é feito de indicações e hoje são indicações dela, vem comigo!

Filme favorito: Ghost: Do Outro Lado da Vida
Ghost é um filme de 1990 que conta a história de Sam Wheat (Patrick Swayze), um bancário, e Molly Jensen (Demi Moore), uma ceramista de talento, um casal que se mudam para um apartamento de Nova York. No trabalho, Sam descobre uma grande discrepância em um par de contas bancárias e confia em seu bom amigo e colega, Carl Bruner (Tony Goldwyn). Carl se oferece para investigar o assunto, mas Sam decide investigar ele mesmo. Mais tarde naquela noite, Sam e Molly são atacados por bandido armado Willie Lopez (Rick Aviles) e Sam é morto por um tiro durante uma luta com Willie. O fantasma de Sam surge de seu cadáver, que fica ao lado da Molly perturbado, ele aos poucos percebe que ele é um fantasma, cuja presença não pode ser vista ou ouvida. Eu já assisti o filme algumas várias vezes mas não me lembro muito bem, a única lembrança que eu tenho é que não gostei tanto assim de Ghost, mas fica a indicação. {IMDb}



Livro favorito: Laços Eternos
Laços Eternos - O amor une. O ódio também. Ligações de ódio são passageiras. As do amor eternas. A vida usa a reencarnação. Aproxima as pessoas. Abre-nos a compreensão para outras parcelas da verdade. Desenvolve nossos sentimentos. Ilumina nossa inteligência. Facilita-nos a conquista da paz. As almas amadurecem, conseguem perceber que existe só amor. Força motriz da vida surgindo do todo. Em laços indestrutíveis pela eternidade. Eu nunca li esse livro. {Skoob}

Minha mãe ama histórias que envolvem espiritismo como da para perceber e eu perguntei algumas coisas aleatórias também. Sua comida favorita é pão de queijo, a bebida cerveja e seu hobby cozinhar. Eu jurava que ela ia falar colorir ou pintar mas ela trabalha com cozinha e ama o que faz. #goals.


Um feliz dia das mães para todas as mães e futuras mães por aqui :)


Olá! Hoje eu vim apresentar um projeto fotográfico muito legal lá do Instagram! Criado pelo @andreyfa e pela @_carollisboa, consiste em inserir personagens de cartoons a sua realidade usando a hashtag #CartoonInMyCity! Vale tudo e eu pessoalmente estou viciada tanto em postar, quanto em ficar olhando as fotos das pessoas. Começa a rolar a página!











Ufa! E aí, você conhece mais algum projeto fotográfico lá no Instagram? Divide aqui embaixo :D


Heyo! Adivinha quem voltou a fazer vídeos? Pois é. Depois de um hiatus gigante voltei pro YouTube, mas novamente não prometo nada. Minha intenção é fazer um diário de leitura do Movie Box, compartilhar meu avanço na leitura em inglês e levantar discussões sobre cinema. A discussão de hoje é: o que é cinema? Assiste o vídeo e me conta aí embaixo :D



Informações técnicas:

Texto: Paolo Mereghetti, Alessandra Mauro, Franca De Bartolomeis e Alessia Tagliaventi
Diretor geral: Paolo Mereghetti 
Editora: Thames & Hudson
ISBN: 978-0-500-51648-5


Onde comprar:


Abril foi uma montanha-russa. Pra ser sincera, aconteceu tanta coisa que eu nem lembro o que realmente aconteceu esse mês. Comecei bem o mês usando o planner maravilhoso do The Ink Nest, indicação da Luh e eu amei tanto que já baixei e imprimi o de maio! Papel me ajuda a me organizar melhor do que qualquer outra coisa (e eu descobri que gosto de me organizar, curioso né?). Logo na primeira semana do mês eu fui parar no hospital e alguns dias depois foi a minha mãe pelo mesmo motivo. Já está tudo bem. Meu notebook deu pane e eu perdi tudo #AEEE, arrumei um caderninho só para o blog depois daquele destralhamento e percebi quanta folha de rascunho a gente tem em casa. Mal de família. Consegui emendar esse feriado de onde vos escrevo e quase consegui passagens para viajar, mas só da para comprar no cartão. Pô decolar.com, tá na hora de mudar isso, nem todo mundo gosta de parcelar #ficaadica. Finalmente comprei uma bolsa para a minha câmera, posso sair sem me preocupar (tanto) agora. Li quase dois volumes inteiros de Sailor Moon, quase porque eu não tenho o próximo, e li apenas um livro. Tô fraca esse ano, por algum motivo minha mente anda cansada.

As Aventuras de Alice no País das Maravilhas: pra mim Alice nada mais é do que uma paródia da vida real. Todos são os adultos com quem cruzamos na vida e Alice é a personificação daquele adulto que ainda sabe sonhar, sabe? Ou estou vendo teoria onde não tem.

"Imaginação."

Sailor Moon: cada dia que avanço nessa história tenho mais vontade de voltar a assistir Sakura Card Captors e de ler o manga. Agora é a hora em que você faz cara de dúvida. Eu só conheci Sailor Moon depois de velha, mas Sakura foi minha infância. Animes + guerreiras mágicas = amor. Estou amando Sailor Moon e teve um plot-twist ali no meio que eu não esperava, por mais que pareça óbvio depois que você lê. Vou para o quarto volume esse mês!

Inglês: esse tópico é mais uma dica. Se você está aprendendo inglês e começou a ler na língua recentemente, tente ler em voz alta. Pode parecer meio bizarro no começo, mas para mim fez toda a diferença. Eu comprei o Movie Box, um livro sobre fotografia no cinema, e ele é em inglês. Diferente da primeira vez em que tentei ler em inglês, que li no ônibus, com interrupções etc, no Movie Box eu estou conseguindo avançar quase tranquilamente. Fica a dica. 

APPs: ok, eu estou viciada no Snapchat. Antes eu só via o que o pessoal postava, mas agora meio que o Snap virou um Twitter 2.0 pra mim.Várias inutilidades, atualização constante do que estou lendo com reações em tempo real e meu gato com todo seu charme embelezando sua timeline. Me segue lá: ludfrrrg.

Hello Poetry: eu descobri o Hello Poetry no finalzinho de abril e estou apaixonada! Gente como a gente postando poemas. Se você é um entusiasta da arte ou só gosta mesmo de ler, recomendo. Mal conheço e já considero pakas (e já fiz minha inscrição porque sou dessas com 10.000 redes sociais).


O que teve de bom no seu abril?