Pode haver spoilers.

"Eu, Penny Lane Bloom, juro solenemente nunca mais namorar enquanto viver.", e é com essa declaração que começamos esse amor em forma livro. Após passar por uma decepção amorosa, a adolescente Penny decide nunca mais namorar na sua vida - ou pelo menos até terminar o colégio. E então ela funda o Lonely Hearts Club. Se depois de ver a capa do livro, ler o título, saber o nome da personagem principal e ler essa introdução você não pegou a referência: The Beatles. Eu também não me toquei, só fui perceber depois que já tinha começado a ler. Eu comprei pela a capa e não sabia uma vírgula da história, e foi uma das melhores leituras até agora. Acho que se eu tivesse pesquisado um pouco antes de comprar, teria desdenhado o livro e deixado pra lá - ainda bem que não fiz isso. 

Começamos o livro sendo introduzidos ao motivo pelo qual Penny decide criar o clube. Somos também apresentados à seus pais, beatlemaníacos, e descobrimos que não só Penny Lane tem seu nome inspirado nas músicas da banda. Ao decorrer dos capítulos conhecemos outros personagens ao redor de Penny e cada um deles trás algo para a história, a autora trabalhou sutilmente cada um deles apesar do livro ser narrado em primeira pessoa. Conhecemos as dores de cada um e o amadurecimento de Penny. Mais do que relacionamentos adolescentes, o livro trata de amizades e como ter os amigos ao seu lado é mais importante do que qualquer outra coisa.


O livro é dividido por partes e cada parte tem o nome de uma música do Beatles. A edição é linda! Cheia de detalhes que combinam totalmente com o clima da história. A declaração de Penny no começo do livro vai aos poucos ficando para trás depois que ela coloca um ponto final (com estilo) em seu relacionamento anterior. Pode parecer óbvio o fato de ela terminar o livro ao lado de alguém mas não tem como não torcer pelos dois. Se você for ler o livro, depois dessa frase você já matou quem será o par amoroso de Penny no final. E apesar de achar essas frases promocionais bem forçadas - "leitura imperdível para qualquer pessoa que já esteve apaixonada... ou que jurou nunca mais passar por isso". Você vai se identificar. Quantas vezes eu já repeti essa mesma frase! Penny tenta negar seu amor e bloquear todos os seus sentimentos pelo medo de se machucar de novo. Quem nunca?


Não só nos títulos estão as referências, os Beatles estão presentes no livro todo. Da contra capa às falas dos personagens ao nome do clube. E no nome da personagem principal, claro. Penny Lane. Passei o livro todo dizendo que eu era a Penny. Penny é tudo que eu fui quando tinha sua idade e de vez em quando ainda sou. E digo que esse livro não poderia ter parado em minhas mãos em melhor momento - eu não o teria aproveitado da mesma forma se tivesse lido na adolescência. Tirando os Beatles eu me vi em cada frase e drama e pelos olhos de Penny. Claro que não passei pelas mesmas coisas que ela, quem me dera ter um Ryan na minha vida, mas eu a entendo e teria agido da mesma forma. Eu agi da mesma forma. Eu passei por isso. E esse livro não poderia ser mais uma biografia do que ele já é.

Here comes the sun, and I say it's all right... E tudo bem dar uma chance ao coração as vezes pois mesmo machucado, ele volta a bater. Não importa quão frio está o inverno e quão gelado está o seu coração, ele vai voltar a derreter e bater. E gente, Beatles é muito bom.

Deixe um comentário