Um, dois, três, quatro. Não me aguento quando você morde os lábios. Quatro dias, quatro horas, meia noite e vinte quatro. Você do meu lado. Mãos que esquentam as minhas frias. Meio dia. Meia-calça quinze, moletom e poás. Vestido de renda, jaqueta de couro e um tal de Tomás. Meia noite e vinte nove, um sonho aos trinta e nove. Meia noite e meia. Que meia? Meia vontade de estar com você. Meia vontade de estar sozinha. Pra que namorar, só quero companhia. Pneumonia. Meia noite e trinta e um e dois e três e quatro. Desilusão ao quadrado. Não sei se acredito no destino ou esqueço tudo isso e te substituo mais uma vez como todos os anteriores. Meia noite e trinta e três. Vou tentar mais uma vez.

Deixe um comentário