Me embriaguei em leite tentando esquecer você.
Aquele leite quente, que escorre e mela a alma.

Por que?
Você?
Eu?
Nós?
Por que?

Com o tempo meu coração aprendeu a ser solitário e é nessa solidão onde me encontro comigo, com você, com nós. E todos os nós que eu dei ao longo dos dias que passei com você. E o nó n'alma. Esse, meu amigo, é o mais difícil de tecer. O nó que enforca a realidade. Eu sou nó, você é nó, somos todos nós cheios de cheiros e nós.

Deixe um comentário