Se Pollyanna fosse uma menina de verdade, seria Anne Frank.

Em Contos do Esconderijo somos apresentados à algumas passagens excluídas do diário de Anne e algumas histórias que ela escreveu durante os dois anos escondida no anexo secreto, a primeira parte sendo ficção e a segunda, memórias da Anne, somando um total de trinta contos. Eu amei cada pedacinho do livro, mas marquei dois em especial: A Fada e O Poço de Iniquidade. Em todos os contos podemos ver o fio de esperança que Anne segurava e tentava manter consigo à qualquer custo, e tentava passar isso para as pessoas. E também vemos que ela era uma garota normal, como tantas outras, como nós fomos, e tentar se manter alegre e esperançoso naquelas circunstâncias... é de se admirar.

Em A Fada (12 de maio de 1944), conhecemos Ellen, a fada, que perdeu os pais muito jovem e herdou todo o dinheiro da família, e então em uma noite ela decide doar esse dinheiro aos menos afortunados para que eles fiquem alegres. Mas com o tempo, vendo que o dinheiro ia acabando, ficou se perguntando o que poderia dar aos pobres, foi quando chegou à conclusão de que poderia se dar, dar seus ouvidos e sua companhia.

Ela continuou a dar muito, não dinheiro mas bons conselhos e palavras carinhosas e curativas. Tinha aprendido que mesmo se alguém está completamente sozinho, ainda pode fazer de sua vida algo maravilhoso; e não importa o quanto alguém seja pobre, porque ainda pode proporcionar aos outros muitas riquezas.

Já em O Poço de Iniquidade (22 de fevereiro de 1944), Anne disserta sobre o nu e aqueles que "tendem a encontrar defeitos em quem não está suficientemente vestido". Quão atual é isso? Mês passado a Anna Vitória escreveu sobre o babaca nosso de cada dia que resolveu dar palpite sobre o tamanho de sua saia. Aí eu te pergunto, o que é estar "suficientemente vestido"? Parece que o cenário mudou, mas as pessoas, nem um pouco. Bora evoluir galera, já se passaram setenta e um fucking anos. Na verdade isso não deveria nem ter começado.

Nem por isso deve-se pensar que sou daquelas que acham que seria melhor vivermos como os homens das cavernas ou andar por aí vestidos apenas com peles de animais; não, absolutamente, gostaria apenas que nossa existência fosse um pouco mais livre, um pouco mais natural, um pouco mais informal.

Anne tinha pensamentos fortes para alguém de sua idade e tinha opiniões maduras sobre vários assuntos. Não sei se foi a guerra, a criação, ou sua própria personalidade, mas Anne Frank é uma garota de admirar e ter como exemplo. E não sei porque mas, eu acho que se ela vivesse nos dias de hoje, ela seria o tipo de pessoa que teria um blog.

2 Comentários

  1. OMG sempre quis ler esse livro *-* AMO MUITO a historia de Anne Frank <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por ser um livro curtinho eu peguei para ler antes do diário propriamente dito, vale muito a pena :D

      Excluir