Mês passado eu fiz meu primeiro trabalho e eu não poderia estar mais feliz e ao mesmo tempo mais assustada. Como agir, e se tudo der errado, eram questões reais e me colocaram nos nervos. Primeiro porque eu nunca tinha fotografado à noite até aquele dia, foi minha prova de fogo, e segundo porque eu estava ali sozinha, então a responsabilidade de capturar todos os momentos era exclusivamente minha. E ah, por acaso eu citei que era um casamento? Se uma mulher se interessou por casar e casar ao pé da letra como manda a tradição, pode se dizer que aquele seja um dos dias mais importantes de sua vida. Além de toda a responsa ainda tinha a pressão que eu coloco em mim mesma para tudo de me meto a fazer: eu preciso ser o meu melhor. E depois de todo o medo de dar errado, acabar a bateria da câmera, dar perda total no cartão de memória, esquecer o cartão de memória, as fotos ficarem ruins, todas borradas, ser assaltada no ônibus de viagem, cair e quebrar uma perna - essa sou eu -, ainda enrolei duas semanas para editar as fotos do casamento, com medo do produto final.

Eu aprendi que o nervosismo me faz ser a melhor, foi assim no palco em 2009 e foi assim no casamento no dia 15 de agosto. Aprendi que por mais que o equipamento não seja o essencial no final das contas, um flash externo teria me ajudado. Aprendi que para não surtar achando que a bateria ia acabar, tenho que comprar uma bateria extra, por mais que dessa vez ela tenha durado a cerimônia e a festa inteira, e ainda chegou em casa com todo o gás, a gente nunca sabe o dia de amanhã. Aprendi que viajar sozinho faz muito bem pra cabeça e que idosos realmente gostam de mim, sei lá por que. Aprendi que não posso ter medo de cometer erros, e que tudo bem não conseguir aquela foto perfeita, eu consegui outras tantas. Aquela história de menos é mais? Não na fotografia. Ao ponto de tirar duzentas e poucas fotos e no fim salvar 65. Aprendi que todo trabalho tem seu lado ruim, não importa qual seja. Meu lado ruim é lidar com os editores de fotos. Aprendi que as pessoas amam fotógrafos e vão querer te contratar para todos os trabalhos possíveis. E o mais importante: aprendi que amo o que eu faço.

Essa é uma daquelas experiências que vou levar para a vida inteira e toda vez que eu for fazer algum trabalho, seja ele qual for, vou me lembrar daqueles dias. Agora mais do que nunca eu quero tirar tudo o que minha câmera conseguir me dar, praticar todos os dias e cada dia mais ser o melhor que posso ser. 

Para ver as fotos, visite meu Flickr!

Deixe um comentário