Ontem eu assisti um filme baseado no livro "Memories of Anne Frank", escrito por Hannah Boslar, sua amiga de infância. Neste filme somos introduzidos ao sumiço repentino dos Frank, eles brevemente escondidos no Anexo Secreto, a captura dos Boslar e depois dos refugiados do Anexo. Após essa introdução somos apresentados a realidade do campo de concentração. Como qualquer outro filme sobre a Segunda Guerra, triste e tocante. Muita gente diz que se decepcionou por não ser fiel ao diário, mas lembrando, "Minha querida Anne Frank" não foi baseado no diário, e sim em um livro escrito pela Hannah! No diário ela é chamada de Lies.

O começo do filme é bem rápido, Hanneli nos conta um pouco de sua infância com Anne, a invasão dos soldados alemães na Holanda e a partida repentina dos Frank para a Suíça, afinal vamos nos lembrar que poucas pessoas sabiam do Anexo e a família Goslar não era uma delas. E fico pensando que se os Goslar fossem chamados para o esconderijo, muita coisa teria terminado diferente na história. A família Goslar é levada pelos alemães, se eu não me engano, antes dos Frank, e no filme o espaço de tempo não ficou muito bem divido então pouco tempo depois o Anexo é descoberto e as oito pessoas são levadas para Auschwitz.

Gostei que no filme eles também dão destaque à Miep Gies, uma das ajudantes da família Frank. Acredito que não só em "Memories of Anne Frank: Reflections of a Childhood Friend", que foi traduzido como "Memórias de Anne Frank: as lembranças de uma amiga de infância", esse filme foi baseado, eles pegaram um pouco do diário e pelo que dá a entender, um pouco do livro escrito pela própria Miep, "Anne Frank, o outro lado do diário". Todos esses livros já estão na minha lista de leitura e espero conseguir lê-los em breve. É uma forma de conhecer todos os lados de Anne, pela visão de mais de uma pessoa.

Depois dessa introdução somos jogados em Auschwitz e boa parte do filme a partir daqui é o que já esperamos de um relato sobre os campos: as condições horríveis em que eram deixados os judeus e a caminhada para morte. A parte mais tocante foi a forma como eles conseguiram manter o brilho de esperança que tinha dentro de Anne, ela realmente acreditava que aquele horror um dia iria acabar, e não dá para saber se ela continuou sendo essa garota ao ser levada, mas podemos pelo menos imaginar que sim. Em algum momento aqui no meio Anne e sua irmão são transferidas para Bergen-Belsen e já caminhando para o final do filme temos o reencontro de Anne e Hanneli que não vou contar como foi porque vale a emoção, e Bergen-Belsen finalmente é atacado e os judeus são soltos.

O filme falha um pouco nas transições de cenário e na cronologia dos fatos, mas vale a pena para quem se interessa pelo tema ou para quem tenha lido o diário de Anne.

2 Comentários

  1. Adoro dramas históricos e fiquei super curiosa para assistir esse. Anne Frank é uma figura histórica incrível, pensar em tudo o que ela viveu (e escreveu) sempre me emociona. Vou procurar esse livro também, ainda não o conhecia. Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ler o diário da Anne tem sido uma experiência única, nem terminei e já estou querendo reler.

      Não encontrei "Memórias de Anne Frank: as lembranças de uma amiga de infância" nas livrarias, mas tem no Estante Virtual, o livro da Miep eu achei na Saraiva, mas diz que são últimas unidades, espero que ajude ^^

      Excluir