O melhores do ano de 2014 foi feito em vídeo, mas esse ano não fiquei afim de gravar naquele formato, então cá estamos. 

Livros

Falando de livros, esse ano teve de tudo, inclusive contos e crônicas. Comecei janeiro lendo Os Goonies no meio de um apagão, depois terminei de ler O Hobbit que tinha começado em dezembro de 2014, li Trono de Vidro e comecei O Retrato de Dorian Gray. Em fevereiro terminei o dito cujo e a coisa desandou com A Noite dos Mortos-Vivos. Em março compensei com A Garota Que Perseguiu a Lua, livro amorzinho, li também A Profecia de Samsara, uma fantasia nacional e atravessei para abril lendo As Aventuras de Alice no País das Maravilhas e logo depois, em maio, li Através do Espelho e o que Alice encontrou por lá. Ainda em maio li o segundo livro do detetive Strike de J.K. Rowling, O Bicho da Seda, Morando Sozinha da Fran Guarnieri e Brida do Paulo Coelho. Em junho me arrastei com O Filho de Netuno e foi só. 

Em julho eu comprei um livro pela capa e me apaixonei, o Lonely Hearts Club, li um guia nada turístico de Paris, o Paris para principiantes e na estrada li Vacacciones. Ainda em julho li o conto As Valentinas e o livro Quinze Tons de Constrangimento. Em agosto terminei O Aprendiz de Assassino, li Hilda Hilst pela primeira vez com A Obscena Senhora D, li também Para Cima e Não Para o Norte, literatura portuguesa e livro que ainda não entendi sobre o que é. Teve um livro de nome longo de gostei, mas ainda não sei, Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios, li o Lugar de Mulher e terminei o mês lendo O Pequeno Príncipe em inglês, ufa. Setembro foi regado à Anne Frank com Contos do Esconderijo e o diário propriamente dito, O Diário de Anne Frank. E em outubro finalmente terminei Os Três Mosqueteiros. Em novembro li um livro de contos chamado Explícitas e um conto avulso muito bonitinho chamado Meninos e Meninas. E então dezembro. Comecei o mês com A Filosofia da Caixa Preta, livro indicado por um professor de filosofia que fala sobre fotografia e muitas coisas, li um conto de Natal do Dickens, Os Duendes que Raptaram um Coveiro, li um chick-lit pela primeira vez, Fiquei com seu número e na noite de Natal terminei de ler Nicolau São Norte e a batalha contra o rei dos pesadelos

No meio disso tudo comecei a reler Harry Potter em inglês ainda estou no primeiro livro e também comecei Guerra dos Tronos, estou aproximadamente na página 90 ainda, um longo caminho pela frente. No momento em que escrevo esse texto estou lendo Um sorriso ou dois, um livro de contos e crônicas do Frederico Elboni e Rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda de Howard Pyle. 

E não só de livros terminados vive uma pessoa. Não abandonei nada, mas muita coisa ficou pela metade durante o ano, principalmente depois de comprei o Kindle por ser bem mais fácil carregar o aparelhinho por aí. Não terminei We Are All Completely Beside Ourselves que era para fazer parte de um clube de leitura que falhou, teve Deuses Americanos que quero muito terminar no feriado de Ano Novo, A Marca de Atena, livro três de Os Heróis do Olimpo que me arrastei até a página noventa e a Lâmina da Assassina que se passa antes de Trono de Vidro. Dos dois amigos secretos que participei, em um deles ganhei Vivian contra o apocalipse que li o prefácio e pretendo fazer uma maratona para ler esses quatro livro de uma vez.

Falando em amigo secreto, no outro ganhei Dezesseis Luas e esse fica pro ano que vem junto com A Casa de Hades, O Sangue do Olimpo, Rangers - A Origem dos Arqueiros e Aquarela, um livro de contos. E em algum momento pretendo terminar As Crônicas de Nárnia (estou no livro três) e Treblinka. Não tenho a intenção de terminar mais nada em 2015, o que vier é lucro. Somei um total de trinta livros lidos fora os contos, e considerando que só realmente odiei UM livro dessa lista, foi um bom ano.

Filmes

Sobre filmes, não sei quantos assisti esse ano porque não anotei mas os melhores foram Somos Tão Jovens, A Duquesa, Vivendo na Eternidade, A Origem dos Guardiões, Capitão América: O Primeiro Vingador, O Espetacular Homem-Aranha, Amor e Inocência, Minha querida Anne Frank, Jogos Vorazes: A Esperança - parte 1, Maria Antonieta, A Incrível História de Adaline e Chicago (que na verdade eu já tinha assistido antes).

De séries, pela primeira vez na minha vida terminei uma: How I Met Your Mother. Também assisti The Musketeers, comecei Downton Abbey, continuei Gilmore Girls e Faking It.

Música

De música, eu ouvi muita coisa esse ano, inclusive foi o ano em que dei uma chance para a música eletrônica. Tive dois álbuns favoritos, o 1989 da Taylor Swift que é do ano passado e o Revival da Selena Gomez, desse ano. Resolvi fazer essa playlist para listar não as músicas mais ouvidas do ano, mas as que me marcaram de alguma forma.



Dos links de dezembro, tivemos:
» rascunho 
» antes de entrar {vídeo}
» your vagina matters {vídeo}

Por fim, foi um mês muito bom, foi um ano muito bom. Eu já fiz uma retrospectiva lá no dia doze e não retiro nada do que eu disse. 2015 foi um ano de várias mudanças, no qual eu tinha apenas uma meta: viver intensamente. Fiz (quase) tudo que tive vontade de fazer e fiz muito mais do que eu poderia imaginar lá no final de 2014. Teve choro? Teve. Mas tiveram muitos mais risos que lágrimas. Teve perrengue? Sempre vai ter um perrengue. Teve raiva, teve papel de trouxa, teve cicatrizes, mas teve muita coisa boa também. Por algum motivo estou empolgada por 2016,  que venha!

Deixe um comentário