Pra começar a conversa, curiosamente há um ano eu dizia que março nunca foi um mês amigável comigo. Em 2014 eu o chamei de conturbado, louco e desnecessário. Em 2013 eu estava em uma bad sem tamanho. Não vou nem voltar no tempo mais. Normalmente março é o mês onde eu começo a questionar a vida o universo e tudo mais, é o mês que demora uma eternidade pra passar e é quando eu começo a andar em círculos porque meu deus o que tô fazendo com a minha vida???!?!??!!!?! Mas eu não fiz isso esse ano. Na verdade eu continuo achando março longo sim por algum motivo inexplicável, mas esse mês eu simplesmente sentei de frente pra uma árvore no quinto dia de Outono e agradeci. Agradeci pelas conquistas que tive até hoje, agradeci pelos bons ventos que essa época traz, agradeci pelas velhas folhas caindo para que novas germinem, agradeci pela pessoa que estava do meu lado naquele dia e que me deixou curtir esse momento comigo e com a estação. Eu já disse em algum momento que abstrai janeiro e que meu ano começou em fevereiro, mas sejamos sinceros, janeiro tava lá sim, não dá pra negar. Nesses três meses eu até fiz muita coisa, só não foi o tipo de coisa que você consegue apontar e gritar "olha lá" (a coisa), daí veio esse março que normalmente me deixa na mal, mas só posso dizer uma coisa: parece que o jogo virou não é mesmo? Agradecida também aos amigos por me darem luz e colocarem juízo na minha cabeça porque vou te contar que faço umas merdas e faria uma bem grande com essa impulsividade toda. E só porque comentei, no mesmo dia que comecei esse texto rolou uma crise existencial. Enfim, março.

Esse mês eu não terminei de ler nada, só fiquei em um limbo entre Orgulho e Preconceito e Guerra dos Tronos, e de filmes assisti só um que foi Meia-Noite em Paris (2011) que conta a história de um escritor que viaja no tempo e encontra seus ídolos na antiga Paris. É um bom filme, gostei bastante e dei quatro estrelas (seriam três filmes se os players de 500 dias com ela e Brilho eterno de uma mente sem lembranças tivessem funcionado). E em março certa pessoa entrou de vez na minha vida (e se você estiver lendo isso, eu já disse e repito, não repara a bagunça ♡). E eu fiz esse mês muito mais do que posso dizer, mas se quer uma dica, na dúvida dê uma chance, a vida pode te surpreender. De música eu voltei a ouvir bandas nacionais (obrigada, M!) e Tópaz entrou na minha vida.

Dos links, confesso que fui bem repetitiva:
te conheço pouco, mas  te quero muito
constelações
e tudo mudou
17 again
independência
fases de casal
você não é obrigada a nada
quero muito mais dessa coisa gostosa que se chama amor
nada vai mudar o passado, mas encontrei um outro presente
desculpa (por existir e por me desculpar tanto)
I am. I am. I am.
dorme comigo?
simples assim

Até a próxima!

2 Comentários

  1. Lendo esse texto, fui parar pra pensar em como também achei esse mês de março inexplicavelmente longo (mesmo com o feriado) e como eu me senti meio pra baixo, mais do que em outros meses. Mas a gente vai vivendo e superando. Fiquei muito feliz por você ter encontrado alguém especial!

    Eu li Orgulho e Preconceito ano passado (não julgo ninguém, demorei o ano inteiro pra ler) e agora comecei de novo Guerra dos Tronos, mas dessa vez em português pois percebi que o que me atrasava era tentar ler em inglês e não conseguir entender tudo. Esses três filmes que você citou são maravilhosos, não consigo decidir qual deles gosto mais <3

    Há, olha um post meu ali! hahahaha Gostei muito dos textos, em especial o "Você não é obrigada a nada" e o das desculpas.

    *pausa pra ficar meia hora rindo do gif do Barney*

    Beijos e que venha abril! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou gostando tanto de Orgulho e Preconceito quanto de GOT, mas os dois são arrastados demais e eu perco o ritmo lendo no ônibus, preciso sentar pra terminar.

      Nunca assisti Brilho eterno de uma mente sem lembranças, ia ser um "programa de casal" que falhou hahaha.

      Precisava de alguma coisa para ilustrar o post, por que não o Barney? <3

      E que venha abril!!!

      Excluir