Da série: "a arte da ficção"...

Ele observava o mundo a sua volta com seus cabelos médios e negros. Sua aparência era jovem apesar de seus quase 300 anos. As luzes piscavam. Geórgia ouvia o som da cidade desejando estar em outro lugar. Ela não era uma pessoa urbana. Odiava tumulto. cidade grande era cidade cinza. Tentava se concentrar mas o poder esvaia de suas mãos. "Quero fugir pro mais longe daqui" - disse. Fugir sem olhar pra trás Fugir rápido Com força Sem pensar Sem cessar... Mas não posso.

O vento batia em seus cabelos. Ela se sentia só. Ele a observava de longe, ela nem se dava conta. Quando tentava de concentrar se perdia em poder e o mundo a sua volta desaparecia. Mas ele estava lá e olhava fixamente para ela com seus olhos castanhos e profundos.

Naquela noite os corvos se concentraram em massa na praça. Geórgia se mexia descontroladamente durante o sono e resmungava algumas palavras. Acordou mais de uma vez. Toda noite já havia algum tempo, o sonho se repetia. Ela estava em uma sala ampla e vazia, o que fazia o lugar parecer mais amplo ainda. Ela olhava em volta e tudo o que via era uma janela a sua frente e uma porta a suas costas. Todas as vezes ela andava até a janela, se debruçava no parapeito e olhava abaixo: estava em um castelo. O vento entrava gélido pela veneziana e Geórgia tremia. Reparou pela primeira vez que usava um vestido longo, creme, com belos bordados até o chão. "O que estava acontecendo?", ela se perguntou. Então as paredes começaram a se mover e fechar. Geórgia correu para a porta mas estava trancada. Em desespero pensou em pular a janela mas era muito alta. Agachou-se tapando os ouvidos e mais uma vez acordou suando. De quem eram aqueles olhos? Quem era aquele homem? Pedia auxílio a Lua mas a sensação era que estava sozinha.

De longe o homem a estudava. Era Jona. Voltara finalmente e queria vingança. Sua aparência parara no tempo. Aprendeu a invadir sonhos e observava Geórgia.

Deixe um comentário