Nunca me considerei uma pessoa com estilo. Na minha cabeça adolescente não ter estilo era o meu estilo, pois apesar de estar bem parecida com o resto, eu não era parecida com minhas amigas da época - nem queria ser. All Star Converse, preto, camisetas e jeans alimentaram meu guarda-roupa por anos e anos até que eu parasse para pensar nas coisas que eu gostava e queria/podia transmitir através das roupas. Eu sempre quis ser invisível. E funcionou enquanto eu quis que funcionasse. Porém chegou um ponto em que eu não estava mais feliz dentro daqueles panos, não me reconhecia mais, queria tirar o uniforme, e foi com a ajuda de algumas pessoas reais e da internet que eu cheguei aonde estou hoje e continuo aos poucos construindo a pessoa que verdadeiramente sou externamente. 
Eu descobri o que queria quando vi minha blusa de poás pela primeira vez, quando ela nem era minha ainda. Eu queria usar uma blusa de poás com alça de crochê e um laço amarrado na frente. Aquela era eu, era a pessoa que eu me descobria ser. Aqui preciso abrir um parêntese e dizer que sempre me vesti como "menino", jamais dei bola para a minha imagem até então. Havia chegado em um ponto que não estava mais me encontrando naquelas roupas maiores que eu, sem corte. E então quando olhei para a blusa de poás me apaixonei instantaneamente. 

"Você deve se atrair por peças de roupa, e não apenas achá-las bonitas." 
- Mari Santarem (Viiixxxen)

Eu acho as roupas da Zooey Deschanel bonitas, mas não usaria todas elas, sabe? Esse tipo de coisa. Mas o monstrinho da insegurança ainda falava no meu ouvido e ele dizia "o que as pessoas vão achar?"; "tem um laço na frente"; "têm bolinhas"; "parece roupa de grávida"; mas foi só eu vesti-la pela primeira vez que ele se calou quase completamente. Se você está se perguntando que blusa é essa, é essa aqui.

Quando a gente se encontra na gente é maravilhoso! Veio a blusa e então veio outra, minha primeira sapatilha, outras blusas, bolsas. Comecei a prestar atenção nos detalhes, uma renda, um bordado, um carinho a mais. Passei a me sentir bem nas minhas roupas e já não me sentia uma cópia do restante da humanidade. Não era forçado, simplesmente era eu. Troquei quantidade por qualidade. No meio dessa mutação constante encontrei um lugar onde sou feliz plenamente comigo e com a minha imagem.
Sabe aquela história de zona de conforto? Eu estava em uma, saí e entrei em outra - isso não quer dizer que parei por aqui, o tempo todo, mesmo inconscientemente, mudamos nem que seja um pouquinho nossa forma de pensar e com o tempo isso vai influenciando na nossa forma de agir, ser e até vestir. As roupas para mim deixaram de ser um pedaço de pano, agora elas são divertidas, são parte de quem eu sou. E confesso, esse próprio post demorou mais que quero admitir para sair, e já estava praticamente pronto! Eu me sentia insegura para falar sobre isso, para falar sobre esse lado tão importante de mim. Eu amo coisas fofas! Por que era tão difícil de admitir? Essa é uma pergunta que eu talvez nunca consiga responder.


 Se organizar, todo mundo bloga

12 Comentários

  1. Ludmila,acho que se descobrir é um dos maiores desafios dessa vida. Mas quando acontece, ninguém segura a gente, né? Sei disso porque há pouco também me libertei e me permiti experimentar coisas que eu acho lindas, mas sem me preocupar com o que os outros vão pensar. E não existe nada melhor do que ser quem a gente quer ser!

    ResponderExcluir
  2. Também passei por essa fase! Olho pra fotos antigas e só vejo camiseta (tão grandes que eram!), hoje em dia é muito diferente, porém não sei dizer qual a peça de roupa que me fez mudar. Mas a antagem do estilo antigo é que até hoje tenho muita roupa pra ficar em casa, haha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem te conto das camisetas encaixotadas, são ótimos pijamas hahaha

      Excluir
  3. É tão maravilhoso quando a gente se encontra, né? Quando ficamos confortáveis na nossa pele, quando nos sentimos bem e não ligamos (tanto) para o que os outros pensam. É realmente libertador, e muda a maneira de encarar a vida. <3

    ResponderExcluir
  4. É uma delícia se divertir e se sentir bem com o que veste <3

    ✦ ✧ http://bruna-morgan.blogspot.com ✧ ✦

    ResponderExcluir
  5. Olha, eu acho que encontrar o seu estilo e o que te faz bem antes dos 22 anos é algo admirável. Eu mesma ainda não encontrei meu estilo, e agora estou bem chateada porque engordei bastante na gravidez e não quero comprar coisas novas até emagrecer. E ao mesmo tempo me sinto ridícula pensando assim, porque não estou nem perto de emagrecer, e preciso de roupas. E ao mesmo tempo acho que nunca vou achar roupas boas para o meu corpo agora. E aí vem a parte de deixar pra lá e ignorar qualquer coisa relacionada à minha imagem. É complicado, eu estou passando por uma fase bem ruim com relação à minha imagem, mas acho que vai passar. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Helo, claro que vai passar <3 Não foi da noite pro dia e sinto que ainda não cheguei na conclusão (acho que a gente nunca chega), mas é como se eu tivesse chegado no início da ponte sabe? Daqui em diante encontrei o caminho que quero seguir por agora e se eu mudar de ideia daqui uns anos, tudo bem também (sem impulsiva ajudou bastante em tacar o foda-se e tentar tudo que tive vontade, e sigo tentando, não gostando, amando e assim por diante). As fases ruins sempre passam, tenho certeza <3

      Excluir
  6. Já deu uma olhada naquele site "Oficina de estilo"? Acho que você vai gostar, ele dá várias dicas legais sobre moda e estilo e tem uns textos sensacionais sobre hábitos de consumo e coisas do tipo!

    ResponderExcluir