Que merda, eu tô me sentindo tosca de novo, eu tenho que colocar na minha cabeça que a gente não tem nada NADA, foda-se o que você faz, com quem faz, quem você beija, quer beijar ou quer te beijar, quem te encosta, pra quem você sorri, que merda! Eu tô me sentindo aquela louca que te persegue e eu não sou essa pessoa problemática não, mas toda vez é a mesma coisa, os mesmos sentimentos, a raiva, o ciúme, a sensação de exclusão, a cara de cu. Eu não tô brigando/discutindo com você, é comigo, o problema é meu, sou eu. Eu não queria agir dessa forma, me sinto infantil, inferior, idiota, dependente, adolescente, ridícula. É por isso que todo mundo me ignora, finge que eu não existo, porque expus esse lado que deveria ter ficado escondido, deve ficar escondido.

Que merda. 

E eu não vou mandar essa mensagem, ou talvez eu mande, só sei que eu preciso desabafar e não pode ser com você, pois é sobre você. Então eu finjo que nada aconteceu, deixo de falar as coisas e vou guardando até que elas se explodam de novo. Eu sou idiota. Eu só mando mensagem porque com mensagens tenho respostas, odeio falar sozinha, e é isso que tô fazendo agora, falando sozinha, porque você provavelmente nunca vai saber. Talvez colocar em público, sem nomes, no blog, seja uma forma de você talvez me entender, mas eu nem sei mais se você me lê. 

Então volto a falar com as paredes até o dia em que vou explodir mais uma vez, ou até o dia em que vou te esquecer de vez – desse jeito. Do jeito que era, mas ao mesmo tempo nunca vai ser. Nos dois mudamos, muito! Só cada um sabe como mudou, e nada vai voltar, é isso que eu preciso entender. Mas ainda incomoda, ainda é chato, ainda me sinto a chata, a ex, a inconveniente. Então eu acabo sendo grossa com você sem querer, acabo sendo grossa com você porque estou brava comigo, não deixo ninguém se aproximar porque começo a me odiar.

Quantas bocas você já beijou e quantas eu deixei de beijar? Quantas pessoas já passaram pela sua vida enquanto por aqui eu não deixei ninguém entrar? Não posso procurar outros amigos para substituírem você, nem outra família para substituir a sua, mas preciso viver. Vocês sempre estarão lá, sempre, eu amo vocês todos, mas não posso mais amar você.

Deixe um comentário