Às vezes o medo se torna ódio, até ser capaz de ser transformado em indiferença. Por enquanto, eu tenho ódio.

Eu não consigo andar sozinha no meu bairro. Eu não consigo andar sozinha no meu próprio bairro. Seja dia ou seja noite. Eu não consigo andar sozinha. Eu tento, juro que eu tento, mas já sofro por antecedência e só por estar sozinha eu já estou suando, tremendo, então começo a correr como se a minha vida dependesse disso. Eu corro o mais rápido que posso, olho para todos os lados tentando prever de qual lado terei que me defender. 

A chave de casa vira uma arma. 

Minhas pernas já bambas de cansaço e meu coração que esta confuso se deve continuar bombeando nessa velocidade quase me fazem desmaiar. Chegar em casa é um alívio. Respiro fundo. Olho em volta. Nada aconteceu. Mas o medo é tão real na hora que parece que Elas vão aparecer a qualquer momento. Já estou de volta em casa, mas estou suando e tremendo. Elas deixaram uma marca que talvez nunca se apague. 

Eu não deveria deixar que Elas controlem quando ou onde vou sair. Eu não devia viver a favor d'Elas. "Elas" não são ninguém, ninguém de importante. Elas foram apenas duas pessoas que passaram pela minha vida. Eu estava no lugar errado, na hora errada. Nada que vá acontecer de novo. Elas não são capazes de me alcançar. Elas me atingem, mas não quero deixar que Elas me atinjam, não mais. Preciso voltar a viver. 

Mesmo que eu continue suando, mesmo com todo o corpo tremendo, vou respirar fundo, encará-las de frente, não vou mais fugir. Eu sou a letra maiúscula. Elas não são mais nada. Vou simplesmente vê-las queimar na minha memória.

Não acho errado sentir ódio de alguém que me fez passar por isso. No fundo eu gostaria sim de fazer justiça com as minhas próprias mãos. Não sei suas histórias e nem quero saber. Na vida todos nós somos capazes de fazer escolhas e se a escolha delas foi se tornar esses Ladrõezinhos de Merda™, só posso fazer justiça com meus dedos. Ninguém merece ter um arma apontada pro rosto. Ninguém merece estar feliz voltando do trabalho no mesmo horário, como sempre fez nos últimos 4 anos e acontecer uma coisa dessa. Elas não merecem compaixão, nem serem ouvidas. Todos eles merecem apodrecer na cadeia onde é seu lugar.

4 Comentários

  1. Nossa, garota! ninguém no mundo deveria sentir esse medo. Medo de andar na rua, no nosso próprio bairro, lugar onde deveriamos nos sentir um pouco mais seguras. Que triste, que situação, que tragédia.

    Beijos!
    www.memorizeis.tk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chato isso ter acontecido em janeiro e ainda me assombrar desse jeito :/

      Excluir
  2. :( que péssimo isso. Eu gosto de defender que ninguém merece julgamentos radicais, mas eu entendo completamente seu sentimento, porque quando estamos na posição de quem sofre a coisa muda de figura. Não é pecado sentir ódio e não é pecado querer que as pessoas paguem pelos seus atos.
    Força pra você e que você consiga superar esse medo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu odeio o fato de "ter me tornada aquilo que jurei destruir" quando esse sentimento de "apodreçam" volta, quero melhorar e sair pelo meu bairro sem surtar, e deixa-las de lado de uma vez, sem ódio, só com indiferença, afinal quem tem que fazer justiça não sou eu, é a justiça, mas por enquanto é aquele ditado: "vamos fazer o que?"

      Excluir