Entrei num ciclo vicioso onde todos os meus escritos se tornaram textos sobre fuga com uma pitada de ódio e rancor. Às vezes ranço. Acredito que pelo fato de ser isso o que está me cercando todos os dias. Pessoas falando mal uma das outras, eu entro na roda sem nem perceber, às vezes entro de propósito só pra cutucar aquela pessoa que não gosto. Meu coração diz que é errado, mas continuo lá, falando sempre as mesmas coisas. Uma coisa meio Cady de "Mean Girls": "eu estava obcecada. passava 80% do meu tempo falando sobre e nos outros 20% torcia pra que alguém falasse, pra eu poder falar mais um pouco".

E não é como se eu realmente quisesse fugir, às vezes eu quero mesmo sair correndo e gritando com os braços pro alto, mas isso nos 10% do tempo, nos outros eu quero a versão metafórica de fugir. Mudar. De rotina, de vida. Os dois dias de folga são o ponto alto da semana, a vontade é que o domingo dure para sempre, um feriado é uma glória e assim por diante, mas nem sempre temos um feriado para emendar no domingo, um feriado aleatório no meio da semana, às vezes o domingo passa voando. Passei a ler aos domingos tanto o cansaço da internet, do computador, das luzes artificiais. 

Aí você pode dizer, o problema dela é o emprego, o ônibus lotado, os uberlandenses. Não, não e apesar dos pesares, também não. Meu problema são as pessoas. E eu sei que em todos os lugares terão pessoas como essas, pessoas que vão fazer coisas como essas, mas essas pessoas em específico, eu simplesmente não quero mais na vida. Não quero dividir o mesmo ar com elas. Não quero ser obrigada a estar perto delas. E pode ser que daqui 10 anos algumas acabem retornando para a minha vida em outras circunstâncias, mas até lá eu já serei outra pessoa, fazendo outras coisas, um pessoa genuinamente feliz, pois essa (s) pessoa não estará na minha vida, ela estará de passagem, e apesar do passado, ele foi deixado para trás.

Então os textos sobre fuga continuam. Às vezes o texto é a própria fuga. E se tudo der certo o cenário dessa peça vai mudar muito em breve e teremos uma revira volta no roteiro.

2 Comentários

  1. continua tornando os textos a sua fuga, por que o mundo é assim mesmo, sempre vão ter pessoas assim, mas o mundo é assim, respira fundo e bola pra frente!

    Blog Entre Ver e Viver

    ResponderExcluir