Em março de 2016 eu passei por um momento transformador e fiz minha primeira tatuagem, dez meses depois me rabisquei duas vezes no mesmo dia.


Eu já falei dos pássaros por aqui, e se na época eu buscava liberdade, dessa vez eu buscava luz. Já tem um tempo os girassóis entraram na minha vida e eu tive um estalo de que precisava eternizar essa flor na minha pele, "sob o sol, busque o sol, se vire para o sol, bota a cara no sol...", e no seu oposto uma luazinha na minha canela... eu sempre fui completamente apaixonada pela lua e eu amo o fato dessa lua poder ser crescente, minguante, cheia ou nova, dependendo do ponto de vista. Ambas foram feitas no dia 10 de janeiro com o Cleizer, ambas trabalhos autorais que eu só mandei a ideia e uns esboços e ele finalizou lindamente. 

Doeu?

Todo mundo diz que tatuagem na costela dói, uma tatuadora cheia de tatuagens me disse que não encara uma na costela, e bom, doeu, mas não foi uma dor insuportável, foi uma dor ok, foi dor de tatuagem. O que eu fazia quando começava a doer era lembrar o por que de eu estar eternizando aquele desenho e o que ele representa para mim.

A lua foi feita em menos de cinco minutos e nem senti nada.

Três tatuagens em menos de um ano... acho que temos uma viciada.

Deixe um comentário