Que merda, eu tô me sentindo tosca de novo, eu tenho que colocar na minha cabeça que a gente não tem nada NADA, foda-se o que você faz, com quem faz, quem você beija, quer beijar ou quer te beijar, quem te encosta, pra quem você sorri, que merda! Eu tô me sentindo aquela louca que te persegue e eu não sou essa pessoa problemática não, mas toda vez é a mesma coisa, os mesmos sentimentos, a raiva, o ciúme, a sensação de exclusão, a cara de cu. Eu não tô brigando/discutindo com você, é comigo, o problema é meu, sou eu. Eu não queria agir dessa forma, me sinto infantil, inferior, idiota, dependente, adolescente, ridícula. É por isso que todo mundo me ignora, finge que eu não existo, porque expus esse lado que deveria ter ficado escondido, deve ficar escondido.

Que merda. 

E eu não vou mandar essa mensagem, ou talvez eu mande, só sei que eu preciso desabafar e não pode ser com você, pois é sobre você. Então eu finjo que nada aconteceu, deixo de falar as coisas e vou guardando até que elas se explodam de novo. Eu sou idiota. Eu só mando mensagem porque com mensagens tenho respostas, odeio falar sozinha, e é isso que tô fazendo agora, falando sozinha, porque você provavelmente nunca vai saber. Talvez colocar em público, sem nomes, no blog, seja uma forma de você talvez me entender, mas eu nem sei mais se você me lê. 

Então volto a falar com as paredes até o dia em que vou explodir mais uma vez, ou até o dia em que vou te esquecer de vez – desse jeito. Do jeito que era, mas ao mesmo tempo nunca vai ser. Nos dois mudamos, muito! Só cada um sabe como mudou, e nada vai voltar, é isso que eu preciso entender. Mas ainda incomoda, ainda é chato, ainda me sinto a chata, a ex, a inconveniente. Então eu acabo sendo grossa com você sem querer, acabo sendo grossa com você porque estou brava comigo, não deixo ninguém se aproximar porque começo a me odiar.

Quantas bocas você já beijou e quantas eu deixei de beijar? Quantas pessoas já passaram pela sua vida enquanto por aqui eu não deixei ninguém entrar? Não posso procurar outros amigos para substituírem você, nem outra família para substituir a sua, mas preciso viver. Vocês sempre estarão lá, sempre, eu amo vocês todos, mas não posso mais amar você.


Depois do post sobre roubar na caligrafia da Cacá, deu vontade de escrever bonitinho e responder o meme escrito!

1 – Qual o seu nome? 
Ludimila

2- URL do seu blog.
luferreira.com.br

3 – Escreva “A rápida raposa marrom pula sobre o cão preguiçoso.”

4 – Citação favorita.
"Hogwarts will always be there to welcome you home." - JK Rowling

5 – Música favorita (no momento).

6 – Cantor/ Banda favorita (no momento)
Tópaz

7 – Diga o que quiser.
o que quiser (UASHUSHA)

8 – Indique 3 ou 5 blogs.
'bora fazer, gente!


"A senhora poderia me informar o CEP?"
"CPF?"
"Não, senhora, o CEP da rua"
"Mas por que você quer meu CPF?"

"O motivo da ligação é para fazer uma atualização cadastral"
*atualiza*
"O senhor ficou com alguma dúvida sobre esse atendimento?"
"Mas é sobre o que?"

"Boa tarde, eu gostaria de falar com fulano"
"Ele não se encontra"
"O motivo do contato é sobre a XXX, você pode atender por ele?"
"Pode ser"
"Informo que essa ligação gerou um protocolo..., você sabe me informar o endereço correto?"
"Ah não é só com ele"

"Boa tarde, eu gostaria de falar com fulana."
"Ela morreu" 
*desliga na cara do atendente*
*atendente retorna*
"Boa tarde, gostaria de falar com fulana"
"Ela não se encontra"
"Mas ela não tinha morrido?"
*silêncio constrangedor*

"Você poderia me informar o e-mail?"
"fulano@.com"
"Senhor, @ o que?"
".com"
"@ gmail, hotmail...?"
". com"


Vamos ignorar o fato de que ontem não teve post? Vamos sim. Eu estava doente ontem e preferi descansar do que me matar de escrever, já que fui trabalhar mesmo morrendo de gripe. A dor passou, a gripe nem tanto. 

+ os blogs que eu conheci até agora: Camis 🌻 Vois des fleurs 🌻 E agora, Isadora? 🌻 Em versos 

+ os textos: 🌻 A Ana Luíza escreveu sobre a menina mais bonita da faculdade e eu parei para procurar ao meu redor alguém que pudesse levar esse título, ainda sem sucesso; 🌻 A Ana escreveu sobre as coisas que não conseguimos desapegar e me identifiquei com quase todas; 🌻 A Muryel perguntou "se você fosse uma flor, qual seria?" e eu disse que seria um girassol, mas agora eu acho que me inspiro nos girassóis, porém não seria um deles; 🌻 A Natália escreveu sobre não discutir com idiotas, apenas posso dizer que concordo.

Por hoje é só!



Quando um ciclo se fecha parece que as coisas voltam aos eixos.

São quatro dias estranhos, talvez os quatro dias mais sombrios do mês. 

O primeiro é cheio de ansiedade, temor, você espera, espera, espera, e parece que nunca vem. Nada dá resultado. Nada acontece. É um estado de espera, de nada, que vai te deixando mais e mais ansiosa com tudo ao seu redor. Qualquer palavrinha é motivo para surtar. Você completa frases e situações por fim descobrir que estava na sua cabeça. Você quem se guardar, se esconder, tudo de deixa nervosa, e você fica nervosa por estar nervosa, é um ciclo sem fim. Tudo dói. 

No segundo dia vem a raiva, o rancor, o ódio. Tudo é mais intenso no dia dois. Se coisas boas acontecerem, elas serão intensas, se coisas ruins acontecerem, também serão, e as consequências são mais intensas ainda. Sua vontade é que a cada esquina tenha um saco de pancadas para que você possa descontar toda a sua raiva. Às vezes raiva do mundo, raiva de si mesma.

No terceiro dia vem o remorso de todo aquele ódio que você colocou pra fora. As coisas começam a esfriar, sua cabeça começa a esfriar, você percebe as coisas mais claramente, perdoa os outras, se perdoa, esquece o passado, segue em frente. 

No quarto dia as coisas voltaram ao normal, acabou. Você já pode respirar aliviada. 

No quinto você reflete sobre isso.